Página:Versos da mocidade (Vicente de Carvalho, 1912).djvu/45

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Esta página contém uma imagem. É necessário extraí-la e inserir o novo arquivo no lugar deste aviso.

VELHA CANÇÃO

Nunca eu pensára em Roza. Ela tinha vinte anos,
Eu, quinze. Uma manhã, deu-me ela o braço, rindo,
E ambos, rindo, a palrar, fomos leves e ufanos,
Campo em fóra, a vagar sob o azul do ceu lindo.

Muito senhor de mim, sereno, eu caminhava
Ao seu lado, a falar, com distraída voz,
De que? Nem sei. De mil nadas. Ela escutava;
E o seu olhar azul me perguntava: — E apóz?