Página:Versos da mocidade (Vicente de Carvalho, 1912).djvu/54

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


32
VERSOS DA MOCIDADE


Tu, que és forte, rebrame em furia, natureza!
Eu, caído num fundo abismo de tristeza,
Invejo-te a espansão livre do temporal;

E, no tedio feroz que me assalta e me toma,
Sinto anciarem-me n’alma instintos de chacal...
E compreendo Nero incendiando Roma.

Esta página contém uma imagem. É necessário extraí-la e inserir o novo arquivo no lugar deste aviso.