Página:Versos da mocidade (Vicente de Carvalho, 1912).djvu/65

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Esta página contém uma imagem. É necessário extraí-la e inserir o novo arquivo no lugar deste aviso.

GÉLIDA

Lembram-me sempre as rejiões polares
— Frias e brancas solidões imensas —
Quando em meus olhos pouzam teus olhares:
Neles vendo o que sentes e o que pensas,
Lembram-me sempre as regiões polares...

Lá, sob o escuro ceu que a bruma veste
De vaga sombra e de imortal tristeza,
Se dezenrola, alcantilado e agreste,
O seio nu da triste natureza,
Lá, sob o escuro ceu que a bruma veste.