Pacotilha poetica/Se o anno lhe será feliz ou não

Wikisource, a biblioteca livre
< Pacotilha poetica
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pacotilha poetica
Se o anno lhe será feliz ou não


SENHORAS

2 Passareis o anno inteiro
  Felizmente na janella,
  Porque da casa os arranjos
  São para vós bagatella.

3 Hoje aqui nesta fogueira
  Entre o riso e o prazer,
  Mas para o Natal que vem,
  Senhora, tendes que ver!

4 Num copo exposto ao sereno,
  Minha senhora querida,
  Achareis assaz descriptas
  As scenas da vossa vida.

5 Triste sempre e pensativa
  Por um mal não prevenido,
  Pois o amante que adoras
  Será na guerra ferido.
 
6 Curando os callos aos velhos
  Vosso louvado marido,
  Tão moça e elle tão velho,
  Que bello tempo perdido.
 
7 Rindo, folgando e cantando
  Como aqui neste momento;
  Isto em parte, porque o resto
  Passareis em um convento.

HOMENS

2 Na gaiola empoleirado
  Passa o amante passarinho,
  Na cadêa engaiolado
  Passareis meu cupidinho.

3 Tres mezes em namorar,
  Tres em seguir a ventura,
  Tres em fugir á desgraça,
  O resto na sepultura.

4 Ireis para a California
  E achareis muito ouro!
  Mas por lá acabareis
  Com todo o vosso thesouro.

5 Com dura mochila ás costas
  Chorareis vossa desgraça,
  Pois o pai da vossa amante
  Vos fará assentar praça.

6 Vivereis nas galerias
  Da assembléa geral,
  Vida de todo o vadio,
  E que não é menos mal.

7 Passareis ainda alegre,
  Pois tereis muito dinheiro,
  Ganho com economia
  Sendo limpa-candieiro.

SENHORAS

8 Feliz; sois dígna disso,
  E elle vos quer tanto bem,
  Que para fazer-vos ditosa,
  Pedir-vos a mão vos vem!

9 Bem; que inda na loteria
  Tirareis premio graúdo;
  Mas o vosso maridinho
  Gastará no jogo tudo.

10 Será a vossa mofina
  Padecer por bagatellas
  Apertos de coração,
  E até dores de canellas.

11 Tereis daqui ha dous mezes,
  Nas pernas erysipelas,
  Ah! não tereis mais ciumes,
  Que ficareis sem canellas.

12 Feliz e sempre feliz;
  Tendo nas faces o riso;
  Sois tão boa, que do inferno
  Farieis inda um paraiso.

HOMENS

8 Feliz; tereis cama e mesa,
  E casa para morar;
  Que um vadio qual vós sois,
  Vai á Correcção parar.

9 Morareis ainda este anno
  Dos doudos no Casarrão;
  Se sahindo houver dinheiro,
  Esperai; — sereis barão.

10 Feliz, e nos braços della,
  Que vos ama com carinho,
  Como dormem duas pombas
  Estreitadas no seu ninho.

11 Ella rogou-vos taes pragas,
  Que por força soffrereis;
  Tratar as moças tão mal,
  Ah! por certo não deveis.

12 Para a festa de S. Pedro
  Ir eis passar á cadêa.
  Pelo que? Por uns amores
  Com uma negra muito feia!