Peregrinaçam/XXII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Peregrinaçam por Fernão Mendes Pinto
Cap. XXII. Como me fuy ver com el Rey de Aarû & darlhe o que Pero de Faria lhe mandaua, & do q̃ paſſey com elles.


C

Hegado eu a eſte rio de Puneticão, deſembarquey logo em terra, & me fuy à tranqueyra que naquelle tempo el Rey fazia na entrada do rio para defender a deſembarcaçaõ aos inimigos; o qual me recebeo com bom gaſalhado, & moſtras de muyta alegria: & lhe dey hũa carta que Pero de Faria lhe mandaua, fundada toda em eſperanças de mais ao longe o yr ſocorrer em peſſoa ſe lhe cumpriſſe, & outros muytos comprimentos q̃ cuſtão pouco, de que toda ella hia bẽ cheya, os quais el Rey eſtimou muyto, porque creo que tudo aquillo podia ſer aſsi. E deſpois que vio todo o preſente, & a poluora, & as mais muniçoẽs, abraçandonme, diſſe muyto alegre, afirmote meu bom amigo que
toda eſta noite ſonhaua que deſſa fortaleza del Rey de Portugal meu ſenhor me vinha todo eſte bem que agora tenho diante de meus olhos, cõ o qual eſpero em Deos de defender minha terra, para lhe fazer ſempre com ella muytos ſeruiços como fiz ate agora, de que os Capitaẽs paſſados de Malaca ſeraõ boas teſtemunhas. E deſpois de me pergũtar algũas couſas que quiz ſaber, afsi da India como deſte reyno, encomendando aos ſeus a obra que hia fazendo da fortificação da tranqueira, em que todos cõ muyto feruor andauão occupados, me tomou pela mão, & aſsi a pè, com ſeis ou ſete moços fidalgos dos que aly tinha comſigo, ſem outra mais companhia, me leuou à cidade, que eſtaria daly quaſi hum quarto de legoa, onde me banqueteou em ſua caſa, com moſtras de muyto gaſalhado, & me moſtrou ſua molher, q̃ he couſa que naquellas partes muyto raramente ſe cuſtuma, & me diſſe com muytas lagrimas, vès aqui Pottuguez porque ſinto a vinda deſtes inimigos, que ſe não fora verme eu preſo deſta necessidade, & tão penhorado pelo que a honra niſto me obriga q̃ faça, eu te juro a ley de bom Mouro que o que elle agora determina de me fazer, eu lho fizera primeyro, ſem meter niſſo mais cabedal que ſós os meus com minha peſſoa, porq̃ muytos dias ha que ſey quem he eſte falſo Achem, & a quanto ſe eſtende ſeu poder, mas val lhe que tem muyto ouro com que encobre a fraqueza dos ſeus, aquirindo com elle muyta gente eſtrangeira de que ſe ajuda. E paraque acabes de entender quão vil & baixa he a triſte & auorrecida pobreza, & quanto mal faz aos Reys pobres como eu ſou, vem por aquy & moſtrartey neſte pouco que agora verás quão eſcaſſa foy para mim a fortuna. Então me leuou a hũas terecenas cubertas de colmo que eraõ os ſeus almazẽs, & me andou moſtrando o que tinha nelles, que era taõ pouco, que com rezão ſe podia dizer que era nada em comparacaõ do muyto que auia myſter para ſe defender da força de cento & trinta vellas cheyas de gente tão bellicoſa como ſaõ Achẽs, com miſtura de Turcos & Malauares. E dandorne então conta com aſſaz de triſteza, como quern deſabafaua comigo do grande trabalho em que eſtaua, & da grandiſfima afronta em que ſe via, me diſſe que tinham cinco mil homẽs Aatûs, ſem mais ſocorto doutra gente nenhũa, com quarenta peças de artilharia miuda, antre falcoẽs & bercos, em que entraua hũa meya eſpera de metal, que antigamente lhe vendera hũ Portuguez que fora almoxariſe da fortaleza de Paacem, por nome Antonio Garcia, oqual deſpois Iorge de Albuquerque mandou eſquartejar em Malaca, por ſe cartear com el Rey de Bintão num certo modo de traição que cometia. Diſſeme tambẽ que tinha quarenta eſpingardas, & vinte & ſeis Alifantes, & cinquenta de cauallo para guardarem a terra, & dez ou doze milheyros de paos toſtados, que elles chamão Saligues,
eruados com peçonha, & obra de cinquenta lanças, & hũa boa quantidade de padeſes almagrados, para defenſaõ dos que pelejaſſem na tranqueyra, & mil panellas de cal virgẽ em pò, para no abalroar lhe ſeriurẽ em lugar de alcanzias de fogo, & obra de tres ou quatro bateis de calhao, & outras miſerias & pobrezas tanto atras do que conuinha para remedio daquelle aperto em q eſtaua, que por ellas meſmas, em as eu vendo, logo entendi quão pouco trabalho os inimigos terião em lhe tomarem o reyno: & perguntandome o que me parecia deſta abundancia de moniçoẽs que tinha naquelles almazẽs, & ſe baſtauão para receber aquelles hoſpedes que eſperaua, lhe reſpondi eu, que loucamente tinha cõ que os bãquetear, a q̃ elle, deſpois de eſtar hum pouco penſatiuo, bulindo com a cabeça, me diſſe: Certo q̃ ſe o Rey de vos outros Portugueſes agora ſoubeſſe quanto ganhaua em me eu não perder, ou quanto perdia em os Achẽs me tomarem Aarù, elle caſtigaria o antigo deſcuydo de ſeus Capitaẽs, que cegos, & atolados em ſuas cubiças & intereſſes, deixaraõ criar a eſte inimigo tanta força, & tãto poder, que temo que ja quando quiſer refrealo, não poſſa, & ſe puder q̃ ha de ſer com lhe cuſtar muyto do ſeu. E querendolhe eu reſponder a iſto que com tanta magoa me dizia, me desfez todas as minhas razoẽs cõ hũas verdades tão claras, q̃ daly por diante me não atreui a lhe reſponder mais couſa nenhũa, porque entendi q̃ não tinhão contradiçaõ ſuas queixas, porq̃ me apontou em algũas couſas aſſaz feyas & criminoſas em que culpaua algũas peſſoas particulares, de que aquy não trato, porque não faz a meu propoſito, & porque não he minha tençaõ deſcubrir faltas alheyas, & o remate deſta pratica foy remocarme o pouco caſtigo que por eſtas couſas ſe dera aos culpados, & as grandes merces que vira fazer a quẽ as não merecia, & por derradeyro ajuntou que o Rey que queria cũprir inteyramente cõ a obrigação do officio que tinha, & que por armas auia de conquiſtar & conſeruar pouos taõ apartados da ſua terra, tão neceſſario lhe era caſtigar os maos, como premiar os bõs, porem ſe elle acertaua de ſer tal que ao deſcuydo & ſroxidão que tinha no dar do caſtigo, punha nome de clemencia, ſe os ſeus lhe conhecião eſta natureza, logo punhaõ os peis ſem medo por onde queriaõ, o que deſpois pelo tẽpo em diante vinha, ou podia vir a ſer cauſa de porem as forças das ſuas conquiſtas no eſtado em que Malaca agora ſe via. Com iſto ſe recolheo para dentro de hũa caſa, & me mandou agaſalhar em outra de hum mercador Gentio natural do reyno de Andraguirce, o qual em cinco dias q̃ eu aquy eſtiue me banqueteou ſempre eſplendidamente, inda que naquelle tẽpo tomara eu antes qualquer ruim iguaria em outra parte onde me ouuera por mais ſeguro, pelos muytos repiques & rebates de inimigos que aly auia cada hora. Porque
& ſeruindonos inda o vento Sueſte, inda que algum tanto ponteyro, nos fizemos no bordo do mar o q̃ mais reſtaua do dia & algũa parte da noite, & ſendo ja paſſado pouco mais de meyo quarto da prima, nos deu hũa trouoada de Noroeſte (que ſaõ os temporaes que comummente a mór parte do anno curſaõ neſta ilha Çamatra) que de todo nos teue çoçobrados, & ficando a lanchara a aruore ſeca, ſem maſto, nẽ vellas, porque tudo o vento nos fez em pedaços, & com tres rombos por junto da quilha, nos fomos logo a pique ſupitamente ao fundo, ſem podermos ſaluar couſa nenhũa, & muyto poucos as vidas, porque de vinte & oito peſſoas que nella hiamos, as vinte & tres ſe afogaraõ em menos de hũ credo, & os cinco que eſcapamos ſomente pela miſericordia de noſſo Senhor, & aſſaz feridos, paſſamos o mais que reſtaua da noite poſtos ſobre os penedos, lamentando com bem de lagrimas o triſte ſucceſſo da noſſa perdição, & porque então nos não ſoubemos dar a conſelho, nem deterimnarnos no que fizeſſemos de nós, nem q̃ caminho tomaſſemos, por ſer a terra toda alagadiça, & fechada de mato tão baſto, que nenhum paſſaro por muyto pequeno que foſſe podia paſſar por antre os eſpinhos, de que o aruoredo ſilueſtre era tecido, eſtiuemos aly tres dias poſtos aſsi em cocaras ſobre hũs penedos, ſem comermos em todos elles mais que os limos do mar que na babugem da agoa achauamos. Paſſado eſte tempo com aſſaz de confuſaõ & pena, ſem ſabermos determinar o que foſſe de nos, caminhamos ao longo da ilha Çamatra, atollados na vaza atè a cinta aquelle dia, & ja quaſi Sol poſto chegamos à boca de hum rio pequeno, de pouco mais de hum tiro de beſta em largo, que por ſer muyto fundo, & nos virmos muyto canſados, nos não atreuemos ao paſſar. Aly nos agaſalhamos aquella noite metidos na agoa até o peſcoço, & a paſſamos com aſfaz de tormento & trabalho, por parte dos ataboẽs, & moſquitos do mato que nos atanazauão de tal maneyra que não auia nenhum de nos que não eſtiueſſe banhado em ſangue. E como a menham foy clara, perguntey aos quatro marinhevros q̃ hiaõ comigo ſe conhecião aquella terra, & ſe auia aly por derredor algũa pouoaçaõ, a que hum delles homem ja de dias, & caſado em Malaca, me reſpondeo chorãdo, a pouoação ſenhor que tu & eu agora temos mais perto, ſe Deos milagroſamente nos não ſocorre, he a morte penoſa que temos diante dos olhos, & a conta dos peccados q̃ antes de muyto poucas horas auemos de dar, para o qual nos he neceſſario ſazermonos preſtes muyto depreſſa, como quem forcadamente ha de paſſar outro muyto mór trago que eſte em que nos agora vemos, tomando cõ paciencia iſto que da mão de Deos nos he dado, & não te deſconſoles por couſa que vejas, & que o temor te ponha diante, porque conſiderado bem tudo, pouco vay em ſer mais oje q̃ a menham.

E abraçandoſe comigo muyto apertadamente, me pidio com muytas lagrimas que logo o fizeſſe Chriſtão, porque entendia, & aſsi o confeſſaua que ſó com o ſer ſe podia ſaluar, & não na triſte ſeita de Mafamede, em que ate então viuera, de que pedia a Deos perdão. E em acabando de dizer iſto eſpirou logo, porque como elle eſtaua muyto ſraco, & trazia a cabeca aberta cos miolos todos piſados, & quaſi podres, por não ſer curado, & juntamente a ferida cheya de agoa ſalgada, & muyto mordida dos ataboẽs, & moſquitos, parece que aquillo foy cauſa de acabar tão depreſſa, ao qual eu por meus peccados nunca pude ſer bom, aſsi por a breuidade do tempo me não dar lugar, como por eſtar eu tambem ja tão fraco que a cada paſſo cahia na agoa, do eſuaecimento da cabeça, & do muyto ſangue que ſe me tinha ido das feridas, & das chagas que trazia nas coſtas. Com tudo elle foy enterrado na vaſa o milhor que então pode ſer, & nos, os tres marinheyros, & eu nos determinamos em paſſarmos o rio da outra banda, com tenção de dormirmos nũas aruores altas que eſtauão aparecendo da outra parte cõ medo dos tigres & reymoẽs, de que toda a terra era muyto pouoada, a fora outras muytas diuerſidades de animaes peçonhentos que nella auia, com infinidade de cobras de capello, & outras de ſardas, verdes, & pretas, tão peçonhentas que co bafo ſomente mataõ. Determinados todos quatro niſto, roguey eu aos dous delles que foſſem diante, & ao outro q̃ foſſe junto comigo para me ajudar a ſuſtentar, porque hia ja muyto fraco, dos dous ſe lançou logo hum ao rio, & apos elle o outro, dizendome ambos q̃ os ſeguiſſe, & não ouueſſe medo, & em chegãdo elles a pouco mais de meyo rio, arremeteraõ a elles dous lagartos muyto grandes, & em muyto pequeno eſpaço fizerão a cada hum delles em quatro pedaços, ficando toda a agoa cheya de ſangue, & aſsi os leuaraõ ao ſundo, da qual viſta fiquey eu tão aſſombrado que nem gritar pude, nem ſey quem me tirou fora, nem como eſcapey, porque neſte tempo eſtaua metido na agoa atê os peitos co outro negro que me tinha pela mão, o qual eſtaua taõ cheyo de medo que não ſabia parte de ſy.