Peregrinaçam/XXXVIII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Peregrinaçam por Fernão Mendes Pinto
CAP. XXXVIII. Quem era esta molher com quem hiamos, & como nos mandou para Pantane, & do que fez Antonio de Faria ſabida a noua da noſſa perdição, & da fazẽda que lhe tomarão.


P

Artida eſta honrada molher daquy deſte lugar onde nos achara, ſe foy à vella & aremo pelo rio acima obra de duas legoas, atè chegar a hũa aldea pequena, onde dormio aquella noite, & como ao outro dia foy menham ſe partio para a cidade de Lugor que era adiante cinco legoas, a qual chegou quaſi ao meyo dia, & deſembarcando em terra ſe foy para ſua caſa, & nos leuou conſigo, & com ella eſtiuemos vinte & tres dias muyto bem curados, & prouidos de tudo o neceſſario com muyta abaſtança. Eſta molher era viuua, & da geração honrada; & ſegundo deſpois ſoubemos, fora molher do Xabandar de Preuedim, que o Pare de Laſaparà Rey de Quaijuão na ilha da Iaoa
matara na cidade de Banchã no anno de 1538. & ao tempo que nos achou da maneyra que tenho cõtado, vinha de hum junco ſeu que eſtaua na barra carregado de ſal, & por ſer grande, & não poder paſſar o banco, o deſcarregaua pouco a pouco naquella barcaça. Paſſados os vinte & tres dias que diſſe, em que prouue a noſſo Senhor que de todo conualecemos, & nos achamos em diſpoſição para caminhar, nos encomendou ella a hum mercador ſeu parente que hia para Patane, que era daly oitenta & cinco legoas, o qual nos meteo comſigo num calaluz de remo em q̃ elle meſmo hia. E nauegando por hũ grande rio de agoa doce, que ſe dizia Sumheehitão, chegamos daly a ſete dias a Patane. E como Antonio de Faria eſtaua cos olhos longos eſperãdo por nós, ou por recado da ſua fazenda, tanto que nos vio, & lhe contamos o que paſſaua, ficou todo treſpaſſado ſem nos poder falar, por eſpaço de mais de meya hora. E ja neſte tempo os Portugueſes erão tãtos que não cabião nas caſas, porque da mayor parte delles leuaua fazenda a triſte da lanchara; & aſsi o cabedal q̃ ella leuou paſſaua de ſeſſenta mil cruzados, de que a mayor parte era em prata amoedada para ſe comprar cõ ella ouro. Antonio de Faria vendoſe ſem nenhum remedio, & cos ſeus doze mil cruzados que em Malaca lhe empreſtarão roubados, querẽdoo algũs conſolar neſta perda, lhes reſpõdeo, que lhes confeſſaua que ſe não atreuia tornar a Malaca a ver o roſto aos ſeus acrédotes, porque arreceaua que o quiſeſſem elles obrigar pelas escrituras que lhes tinha ſeito a lhes pagar o que lhes deuia, o que elle então por nenhũa via podia fazer. Pelo que lhe parecia ſer mais razão yr buſcar quem lhe tomara o ſeu, que deixar de pagar a quem lho empreſtara. E logo publicamente perante todos fez juramẽto nos ſantos Euãgelhos, & diſſe, que alem do que juraua, prometia tambem a Deos de yr logo daly em buſca de quem lhe tomara ſua fazenda; o qual lha auia de pagar ao galarim, ou por bem, ou por mal, inda que por bem ja entendia q̃ não podia ſer por nenhũa via, porq̃ quem lhe matara dezaſſeis Portugueſes, & trinta & ſeis moços & marinheyros Chriſtãos, naõ era razaõ q̃ paſſaſſe taõ leuemente ſem algum caſtigo, porque ſe aſsi não foſſe, cada, dia nos fariaõ hũa, & outra, & cento ſemelhantes a eſta. Os circunſtantes todos lhe louuarão muyto aquella determinaçaõ, & ſe lhe oſſereceraõ para aquella empreſa muytos homẽs mancebos, & bõs ſoldados, & outros com empreſtimo, de dinheyro para ſe armar, & ſe prouer do neceſſario. Elle aceitou entaõ de ſeus amigos eſtes oſſerecimentos que lhe fizerão, & com a mayor breuidade que pode ſe fez preſtes, & dentro de dezoito dias ajuntou cinquenta & cinco ſoldados. Neſta yda foy tambem neceſſario yr o pobre de mim, por me ver ſem hum ſó vintem de meu, nẽ quem mo deſſe nem empreſtaſſe, & deuer em Malaca mais de quinhentos

cruzados que algũs amigos me tinhaõ empreſtado, os quais, cõ mais outros tantos que tinha de meu, todos por meus peccados o perro me leuou na volta dos outros de q̃ tenho contado, ſem ſaluar de tudo quanto tinha de meu mais que a pobre peſſoa, cõ tresz argunchadas, & hũa pedrada na cabeça, de que eſtiue á morte por tres ou quatro vezes, & ainda aquy em Patane me tiraraõ hũ oſſo antes que acabaſſe de ſarar della. E Chriſtouão Borralho meu cõpanheyro eſteue ainda muyto pior que eu, de outras tantas feridas que tambẽ lhe deraõ em pago de dous mil & quinhentos cruzados q̃ na volta dos outros aly lhe roubaraõ.