Relação da Missão da Serra de Ibiapaba

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Padre Antônio VIEIRA Relação da Missão da Serra de Ibiapaba


Primeiros missionários[editar]

- I -


Primeiros missionários da Companhia de Jesus que no Brasil passaram por terra ao Maranhão; seus trabalhos. Morre na emprêsa o venerável padre Francisco Pinto, e outros.

Pelos anos de 1605, sendo já pacificadas as guerras, que em Pernambuco foram mui porfiadas da parte dos naturais pelas violências de certo capitão português, se tornaram a pôr em armas todos os índios avassalados que havia desde o Rio Grande até o Ceará, onde ainda não tínhamos a fortaleza que hoje defende aquêle sítio. E como em todo o Brasil tinha mostrado a experiência o particular talento e graça que Deus deu aos religiosos da Companhia de Jesus para compor os ânimos desta gente, a petição do governador do Estado, que então era Diogo Botelho, foi nomeado para esta emprêsa o padre Francisco Pinto, varão de grandes virtudes, e mui exercitado e eloqüente na língua da terra, e, por seu companheiro, o padre Luís Figueira. Era o padre Francisco Pinto muito aceito aos índios pela suavidade do seu trato, e pelo modo e indústria com que os sabia contentar; e, sobretudo, o fazia famoso entre êles um novo milagre, com que poucos dias antes, indo o padre a uma missão, acompanhado de muitos, e morrendo todos à sêde em uns desertos, sendo as maiores calmas do estio, com uma breve oração que o padre fêz ao céu, pondo-se de joelhos, no mesmo ponto choveu com tanta abundância, que, alagados os lugares mais baixos daquelas campinas, que eram muito dilatadas, houve em tôdas elas, por muitos dias de caminho, água para todos: com estas assistências tão manifestas do céu foram recebidos os padres como embaixadores de Deus, e não do governador do Brasil, e sem haver entre todos aquêles índios, pôsto que agravados nas vidas, nas honras e nas liberdades, quem pusesse dúvida a tudo o que o padre lhes praticou, puseram logo em suas mãos as armas, e nas de el-rei, e de seus governadores a obediência, a que dali por diante nunca faltaram. Concluída tão felizmente esta primeira parte da sua missão, traziam os padres por ordem que intentassem os sertões do Maranhão, que naquele tempo estava ocupado pelos franceses, apalpando a disposição dos índios seus confederados, e vendo se os podiam inclinar à pureza da fé católica, que entre os franceses estava mui viciada de heresias, e à obediência e vassalagem dos reis de Portugal, a quem pertenciam aquelas conquistas. Assim o fizeram logo os padres, sendo êles os primeiros pregadores da fé, e ainda os primeiros portuguêses que do Brasil passaram às terras do Maranhão. E marchando por terra com grandes trabalhos e dificuldades, por irem abrindo o mesmo caminho que se havia de andar, chegaram enfim à Serra de Ibiapaba, onde viviam, como acasteladas, três grandes povoações de índios tobajarás, debaixo do principal, Taguaibunuçu, que quer dizer Demônio Grande; e, verdadeiramente, se experimentou depois sempre nesta missão que residia ou presidiam naquele sítio não só algum demônio, senão grande demônio, pela grande fôrça, grande astúcia, grande contumácia, com que sempre trabalhou, e ainda hoje trabalha, por impedir os frutos e progressos dela; levantaram os padres igreja na maior povoação da serra, sem contradição dos naturais, antes, com grandes demonstrações de contentamento, e enquanto insistiam quotidianamente na instrução dos adultos, e declaração dos mistérios da nossa santa fé, com grande fervor dos mestres e dos ouvintes, conhecendo uns e outros de quanta importância seria para a conservação e aumento desta nova conquista de Cristo ter pacificadas e quietas as nações bárbaras de tapuias, que cercavam e infestavam os arredores da serra, trataram os padres no mesmo tempo de trazer a si com dádivas tôdas estas nações feras, e fizeram pazes entre êles e os tobajarás, sendo os mesmos padres os medianeiros, e ficando como por fiadores de ambas as partes. Mas, debaixo dêste nome de paz, traçando-o assim o demônio, sem mais ocasião que a fereza natural dêstes brutos, entraram um dia de repente pela aldeia e pela igreja os chamados tocarijus; e, estando o padre Francisco Pinto ao pé do altar para dizer Missa, sem lhe poderem valer os poucos índios cristãos que o assistiam, com frechas e partasanas, que usavam de paus mui agudos e pesados, lhe deram três feridas mortais pelos peitos e pela cabeça, e no mesmo altar, onde estava para oferecer a Deus o sacrifício do corpo e sangue de seu Filho, ofereceu e consagrou o de seu próprio corpo e sangue, começando aquela ação sacerdote, e consumando-a sacrifício. Com a morte ou martírio do padre Francisco Pinto, cuja sepultura Deus fêz gloriosa com o testemunho de muitos milagres, que se deixam para mais larga história, o padre Luís Figueira, ficando só, e sem língua, porque ainda a não tinha estudado, se retirou por ordem dos superiores para o Brasil, tão sentido porém de nâo ter acompanhado na morte como na vida ao padre, a quem fora dado por companheiro, e com tanta inveja daquela gloriosa sorte, que logo fêz voto de voltar, quando lhe fosse possível, a levar por diante a mesma emprêsa, e buscar nela o mesmo gênero de morte que Deus então lhe negara, ao que êle dizia, por indigno. Mas ambos êstes desejos cumpriu Deus depois a êste grande zelador de seu serviço, porque no ano de 1623, sendo já de maior idade o padre Luís Figueira, e tendo ocupado com muita satisfação os maiores lugares da Província, veio outra vez à missão do Maranhão onde trabalhou por espaço de catorze anos, com grande proveito das almas dos portuguêses e dos índios; e, levando-o o mesmo zêlo a Portugal a buscar um grande socorro de companheiros, que o ajudassem a trabalhar nesta grande seara, partindo de Lisboa, e chegando à barra do Grão-Pará no ano de 1643, com onze de quinze religiosos que trazia consigo, foi cair nas mãos dos tapuias aroás da boca do Rio das Amazonas, onde êle e os mais foram primeiro mortos com grande crueldade, e depois assados e comidos daqueles bárbaros.

Vingança dos Tobajaras[editar]

- II -

Vingam os tobajarás, a morte do seu pastor. Entram os holandeses em Pernambuco, reduzem a seu partido os índios, que com esta comunicação se corrompem mais nos seus costumes. Sua barbaridade.

Êste foi o glorioso e apostólico fim que tiveram os dois primeiros missionários do Maranhão e da Serra de lbiapaba, e os que puseram as primeiras plantas nesta nova vinha. Dos frutos que nela deixaram os padres, parte em flor, parte em agrasso, nâo se logrou mais que o nome de cristãos, com que alguns ficaram, e outros depois receberam, continuando em tudo o mais como gentios. Tiveram, porém, lembrança de vingar a morte de seu pastor, na qual se mostraram tão cavaleiros, que, fazendo guerra em toda a parte aos tocarijus, apenas deixaram desta nação quem lhe conservasse o nome e a memória. Assim viveram os tobajarás na serra, gentios, sobre catecúmenos, até o ano de 1630, em que os holandeses ocuparam Pernambuco, e pouco depois se fizeram senhores da fortaleza do Ceará, e reduziram a si todos os índios daquela vizinhança. O trato que os da serra tiveram com os holandeses não foi sempre o mesmo, porque até o ano de 1642 foram seus confederados, e a êste título os acompanharam na guerra do Maranhão, pelejando nela contra os portuguêses e contra os tobajarás, que lá havia de sua própria nação; mas voltaram desta guerra tão pouco satisfeitos do valor e fortuna dos holandeses, que se resolveram a vingar nêles as vidas dos que naquela emprêsa tinham perdido, e o fizeram com tanto sucesso e resolução, que na fortaleza que tinham feito no Camuci por engano, e na do Ceará à escala vista, passaram todos à frecha e à espada. Pôde, contudo, tanto a indústria e manha dos holandeses, que com a dissimulação e liberalidade tornaram depois a reconciliar os ânimos desta gente, e não só a fizeram amiga mas a renderam e sujeitaram, de maneira que quase se deixaram presidiar dêles em suas aldeias, não havendo nenhuma em que não estivessem, como de sentinela, alguns holandeses. Com a comunicação, e exemplo, e doutrina dêstes hereges não se pode crer a miséria a que chegaram os pobres tobajarás, porque de antes, ainda que não havia nêles a verdadeira fé, tinham contudo o conhecimento e estima dela, a qual agora não só perderam, mas em seu lugar foram bebendo, com a heresia, um grande desprêzo e aborrecimento das verdades e ritos católicos, e louvando e abraçando em tudo a largueza da vida dos holandeses, tão semelhante à sua, que nem o herege se distinguia do gentio nem o gentio do herege. Os males que, saindo desta sua Rochela, fizeram em todo êste tempo os tobajarás da serra, não se podem dizer nem saber todos, que êles os sepultava dentro em si mesmos. E tôda esta costa cheia de muitos baixos, que com o vento e correntes das águas se mudam freqüentemente; e foram muitos os navios de diferentes nações que aqui fizeram naufrágio, os quais eram despojos da cobiça, da crueldade e da gula dos tobajarás, porque tudo o que escapava do mar vinba cair em suas mãos, roubando aos miseráveis naufragantes as fazendas, tirando-lhes as vidas, e comendo-lhes os corpos. E, depois que a experiência ensinou aos mareantes a se livrarem dos perigos da costa, inventou nela a voracidade e cobiça desta gente outro gênero de baixos, e mais cegos, em que muitos faziam o mesmo naufrágio. Iam os mais ladinos dêles aos navios que passavam de largo, prometiam grandes tesouros de âmbar pelo resgate das mercadorias que levavam, e quando saíam com elas em terra os compradores, sucedia-lhes o que nestes últimos anos aconteceu a uma nau da Companhia da Bôlsa, de que era capitão Francisco da Cunha, o qual, debaixo destas promessas de âmbar, mandou à terra trinta soldados, e, saindo da praia ao rolo do mar outros trinta índios forçosos para os tirarem às costas, assim atados consigo os meteram pelo mato dentro, e os mataram e cozinharam com grande festa, e os comeram a todos, nâo vendo os que ficaram na nau mais que o fumo dos companheiros, que nâo cheirava ao âmbar por que esperavam. Esta era a vida bárbara dos tobajarás de Ibiapaba, estas as feras que se criavam e escondiam naquelas serras, as quais foram ainda mais feras depois que se vieram a ajuntar com elas outras estranhas, e de mais refinado veneno, que foram os fugitivos de Pernambuco.


Aliança dos índios com os holandeses=[editar]

- III -

Danos que recebe Pernambuco, e sua dilatada campanha da confederação dos índios com os holandeses. Estrago espiritual dos índios da Serra de Ibiapaba com a companhia dos que para lá se retiraram.

Entregou Deus Pernambuco aos holandeses por aquêles pecados que passam os reinos de umas nações a outras, que são as injustiças. E como grande parte das injustiças do Brasil caíram desde seu princípio sobre os índios naturais da terra, ordenou a justiça divina que dos mesmos índios juntos com os holandeses se formasse o açoite daquela tão florente República. Rebelaram-se muitos dos índios, e cristãos, e vassalos - posto que outros obraram finezas de fidelidade - e, unindo suas armas com as do inimigo vencedor, não se pode crer o estrago que fizeram nos portugueses, em suas mulheres e filhos, exercitando em todo o sexo e idade desumanidades feiíssimas, sendo os índios, como inimigos domésticos, os guias que franquearam a campanha aos holandeses, e os executores das crueldades que êles política e herèticamente lhes cometiam, desculpando com a barbaridade dos brasilianos o que verdadeiramente não só eram consentimentos, senão mandados e resoluções suas, para assim quebrantarem a honra e constância dos portuguêses, que de outra sorte nunca puderam render. Vinte anos teve Deus sobre as costas dos pernambucanos êste rigoroso açoite, porque nos primeiros quatro da guerra estiveram todos os índios pelos portuguêses, até que no ano de 1654 se deu por satisfeita a divina justiça, com a milagrosa restituição de todas aquelas fortíssimas praças à obediência do felicíssimo rei Dom João IV. Entraram os índios rebeldes nas capitulações da entrega com perdão geral de todas as culpas passadas; mas êles, como ignorantes de quão sagrada é a fé pública, temendo que os portuguêses, como tão escandalizados, aplicariam as armas vitoriosas à vingança, que tão merecida tinham, e obrigados de certo rumor falso, de que os brancos iam levando tudo à espada. lançaram-se cega e arrebatadamente aos bosques, com suas mulheres e filhos, onde muitos pereceram à mão dos tapuias, e os demais se encaminharam às serras de Ibiapaba, como refúgio conhecido, e valhacouto seguro dos malfeitores. Com a chegada dêstes novos hóspedes, ficou Ibiapaba verdadeiramente a Genebra de todos os sertões do Brasil, porque muitos dos índios pernambucanos foram nascidos e criados entre os holandeses, sem outro exemplo nem conhecimento da verdadeira religião. Os outros militavam debaixo de suas bandeiras com a disciplina de seus regimentos, que pela maior parte são formados da gente mais perdida e corrupta de todas as nações da Europa. No Recife de Pernambuco, que era a corte e empório de toda aquela nova Holanda, havia judeus de Amsterdão, Protestantes de Inglaterra, calvinistas de França, luteranos de Alemanha e Suécia, e todas as outras seitas do Norte, e desta Babel de erros particulares se compunha um ateísmo geral e declarado, em que não se conhecia outro Deus mais que o interêsse, nem outra lei mais que o apetite; e o que tinham aprendido nesta escola do inferno é o que os fugitivos de Pernambuco trouxeram, e vieram ensinar à serra, onde, por muitos dêles saberem ler, e trazerem consigo alguns livros, foram recebidos e venerados dos tobajarás como homens letrados e sábios, e criam déles, como de oráculo, quanto lhes queriam meter em cabeça. Desta maneira, dentro em poucos dias, foram uns e outros semelhantes na crença e nos costumes; e no tempo em que Ibiapaba deixava de ser república de Baco - que era poucas horas, por serem as borracheiras contínuas de noite e de dia - eram verdadeiramente aquelas aldeias uma composição infernal, ou mistura abominável de todas as seitas e de todos os vícios, formada de rebeldes, traidores, ladrões, homicidas, adúlteros, judeus, hereges, gentios, ateus, e tudo isto debaixo do nome de cristãos, e das obrigações de católicos.


Segunda visita do Padre Antônio Vieira ao Maranhão[editar]

- IV -

Chega segunda vez o padre Antônio Vieira ao Maranhão, e o govemador André Vidal de Negreiros intenta uma fortaleza na boca tio Rio Camuci, emprêsa que dependia da vontade dos habitadores da serra. Escreve-lhe o padre Antônio Vieira. Sucesso da resposta da sumaça que com materiais e soldados partiu a levantar a fortaleza.

Este era o miserável estado da Cristandade da serra, quando no ano de 1655 chegou segunda vez ao Maranhão o padre Antônio Vieira, com ordens de Sua Majestade, para que a doutrina e govêrno espiritual de todos os índios estivesse à conta dos religiosos da Companhia; e, posto que o estado referido daqueles cristãos, de que já então havia notícias por fama, prometia mais obstinação que remédio, considerando, porém, os padres que a sua obrigação era acudir à reformação dos índios já batizados, e que êstes da serra tinham sido os primogênitos desta missão, e de quão pernicioso exemplo seria para os que se houvessem de converter, e para os já convertidos, a vida escandalosa em que estavam, e muito mais a imunidade dela. Era ponto êste que dava grande cuidado a toda a missão, e que muita se encomendava a Deus, esperando todos que chegariam ao céu as vozes da sangue do seu Abel, o padre Francisco Pinto, e que, amansadas aquelas feras, que já estavam marcadas com o caráter do batismo, tornariam outra vez ao rebanho de que eram ovelhas. Ajudou muito esta esperança um novo intento do governador André Vidal de Negreiros, o qual chegou no mesmo ano ao Maranhão, resoluto a levantar uma fortaleza na boca do Rio Camuci, que é defronte das serras, para segurança do comércio do pau violete, que se corta nas fraldas delas, e do resgate do âmbar, que a tempos sai em grande quantidade naquelas praias. Esta é a suavidade da Providência divina, tantas vêzes experimentada nas missões de ambas as Índias, onde sempre entrou e se dilatou a fé, levando sobre as asas do interêsse. Comunicados os pensamentos do governador e superior das missões, julgaram ambos que primeiro se escrevesse aos índios de serra, de quem não só dependia o comércio, mas ainda a fábrica e sustento da fortaleza. Mas dificultava, ou impossibilitava de todo a embaixada, a dificuldade do caminho de mais de cem léguas, atalhado de muitos e grande rios, e infestado de diversas nações de tapuias feros e indômitos, que a ninguém perdoam, e, confirmado tudo com a experiência da mesma viagem, intentada outra vez com grande poder de gente de armas, e não conseguida. Contudo, houve um índio da mesma nação tobajará chamado Francisco Murereíba, o qual, confiado em Deus, como êle disse, se atreveu, e ofereceu a levar as cartas. O teor delas, foi oferecer o governador, em nome de el-rei, a todos os índios que se achavam na serra, perdão e esquecimento geral de todos os delitos passados, e dar-lhes a nova de serem chegados ao Maranhão os padres da Companhia, seus primeiros pais e mestres, para sua defensa e doutrina. E o mesmo escreveu o padre superior das missões, dando a si, e a todos os padres, por fiadores de tudo o que o governador prometia, e referindo-se umas e outras cartas ao mensageiro, que era homem fiel, e de entendimento, e ia bem instruído e afeto ao que havia de dizer. Partiu Francisco com as cartas em maio de 1655, e, como fôssem passados nove meses sem nova dêle, desesperado de todo êste primeiro intento, no fevereiro do ano seguinte, que sâo as monções, em que de alguma maneira se navega para barlavento, despachou o governador uma sumaça, com um capitão e quarenta soldados, e os materiais e instrumentos necessários à fábrica da fortaleza do Camuci, e na mesma sumaça ia embarcado o padre Tomé Ribeiro com um companheiro, para saltarem em terra no mesmo sítio, e praticarem aos índios, e darem princípio àquela missão. Animou também muito a resolução do mesmo governador, e intentos dos padres, a paz que por meio dêles vieram buscar ao Maranhão os teremembés, que são aqueles gentios que freqüentemente se nomeiam no roteiro desta costa com o nome de alarves, cuja relação nós agora deixamos por ir seguindo a sumaça, e não embaraçar o fio desta história.

Navegação desde o Maranhão ao Ceará dificultosíssima[editar]

- V -

Navegação desde o Maranhão ao Ceará dificultosíssima. Arriba a sumaça. Parte o padre Antônio Vieira, e intenta, a despeito dos mares, ir à Bahia a buscar missionários. Demoras que tem, e como encontra os índios com a resposta da sua carta. e voltam todos para o Maranhão.

Uma das mais dificultosas e trabalhosas navegações de todo o mar Oceano é a que se faz do Maranhão até o Ceará por costa, não só pelos muitos e cegos baxios, de que toda está cortada, mas muito mais pela pertinácia dos ventos, e perpétua correnteza das águas. Vem esta correnteza feita desde o Cabo da Boa Esperança, com todo o pêso das águas do Oceano na travessa, onde êle ê mais largo, que ê entre as duas costas de África e América, e, começando a descabeçar desde o Cabo de Santo Agostinho até o Cabo do Norte, é notável a força em que todo aquêle cotovêlo da costa faz o ímpeto da corrente, levando após si, não só tanta Parte da mesma terra, que tem comido, mas ainda aos próprios céus e os ventos, que em companhia das águas, e como arrebatados delas, correm perpètuamente de Leste a Oeste. Com esta contrariedade contínua das águas e dos ventos, que ordinàriamente são brisas desfeitas, fica tôda a costa dêste Estado quase inavegável para barlavento, de sorte que do Pará para o Maranhão de nenhum modo se pode navegar por fora, e do Maranhão para o Ceará com grandíssima dificuldade, e só em certos meses do ano, que são os de maior inverno. Navega-se nestes meses pela madrugada com a bafagem dos terrenhos, os quais, como são incertos, e duram poucas horas, todo o resto do dia e da noite, e às vêzes semanas e meses inteiros, se está esperando sobre ferro na costa descoberta e sem abrigo, sendo êste um trabalho e enfadamento maior do que tôda a paciência dos homens; e o pior de tudo é que, depois desta tão cansada porfia, acontece muitas vêzes tornarem as embarcações arribadas ao Maranhão, como também arribou nesta ocasião a sumaça em que ia o padre e os soldados para o Camuci, tendo gastado cinqüenta dias em montar só até o Rio das Preguiças, que é viagem que desfizeram em doze horas. Depois mostrou a experiência que fôra providência particular de Deus não chegarem os soldados a pôr pé em terra, nem se intentar a fábrica da fortaleza, porque, segundo a disposição em que então estavam os índios da serra, é sem dúvida que, ou haviam de impedir a fortaleza por armas, ou se haviam de retirar para tão longe dela, onde nunca mais fôssem vistos. Partiu nesta mesma monção, em uma embarcação latina, o padre Manoel Nunes para o Ceará, e o padre Antônio Vieira para a Bahia; ia um a cultivar os índios daquele distrito, outro para trazer sujeitos que pudessem acudir aos demais; e, pôsto que venceram mais léguas da costa pela melhoria das velas, e perseveraram mais tempo na mesma porfia, teimando contra o mar, até se verem quase comidos dêle, enfim, desenganados, houveram também de arribar; mas na hora em que se acabava de tomar êste acordo para se levarem as âncoras, eis que vem uma embarcação pequena, à vela, escorrendo a costa, e gente vestida de côres marchando pela praia. Ao princípio cuidaram que eram estrangeiros escapados de algum naufrágio, mas, chegando mais perto, reconheceram que era o índio Francisco, que, acompanhado de outros da serra, vinham trazer a resposta das cartas, com que havia quase um ano tinha partido do Maranhâo. Recebidos com a festa e alvoroço que merecia tal encontro, e tão pouco esperado, e dando já por bem empregado o trabalho da dilação, deu Francisco por causa da sua tardança o haver encontrado pelo caminho grande variedade de nações de tapuias, que o detinham, e traziam consigo muitos dias. E, perguntado como escapara dêles com vida, sendo gente que a ninguém perdoa, respondeu que lhe inspirara Deus, quando se viu nas mãos dos primeiros, oferecer-lhes voluntàriamente tudo o que levava consigo e sobre si, esperando que, como não tivessem que roubar, não o quereriam matar inùtilmente, e que assim o faziam; antes, ao despedir-se, lhe davam sempre algumas coisas das suas, em agradecimento das que tinham recebido; e que, prosseguindo na mesma forma, dando a uns o que recebia dos outros, se livrara das mãos de todos. Eram dez índios os da serra, que acompanhavam a Francisco, dos quais o que vinha por maioral apresentou aos padres as cartas que trazia de todos os principais, metidas, como costumam, em uns cabaços tapados com cêra, para que nos rios, que passam a nado, se não molhassem. Admiraram-se os padres de ver as cartas escritas em papel de Veneza, e fechadas com lacre da índia; mas até destas miudezas estavam aquêles índios providos tanto pela terra adentro, pela comunicação dos holandeses, de quem também tinham recebido as roupas de grâ e de sêda, de que alguns vinham vestidos. Desta maneira sabem os políticos de Holanda comprar as vontades e sujeiçâo desta gente, e passá-los da nossa obediência à sua, o que nós pudéramos impedir pelos mesmos fios, com muito menos custo; mas sempre as nossas razões de estado foram vencidas da nossa cobiça, e, por não darmos pouco por vontade, vimos a perder tudo por força. A letra e estilo das cartas era dos índios pernambucanos, antigos discípulos dos padres, e a substância delas era darem-se os parabéns de nossa vinda, e significarem o grande alvoroço e desejo com que ficavam esperando, para viverem como cristãos, não se esquecendo de lembrar aos padres como êles tinham sido os primeiros filhos seus, e quão viva estava ainda em seus corações a memória e saudades do seu santo pai, o Pai-Pina, que assim chamavam ao padre Francisco Pinto.

Partida da Missão para à Serra da Ibiapaba[editar]

- VI -

Partem à missão da Serra de Ibiapaba o padre Antônio Ribeiro e o padre Pedro de Pedrosa. Dificuldades, perigos e trabalhos que passam estes apostólicos missionários. Favores do céu que experimentam antes de chegar a Ibiapaba.

Chegada ao Maranhão esta resposta, tão conforme ao que se desejava, se resolveu logo que a viagem se fizesse por terra, e foram nomeados para esta missão o padre Antônio Ribeiro, prático e eloqüente na língua da terra, e o padre Pedro de Pedrosa, que pouco antes tinha chegado de Portugal. Até o Rio das Preguiças levaram os padres uma boa escolta de soldados portuguêses, com que passaram vinte e cinco léguas de perpétuos areais, chamados vulgarmente os lençóis, por ser êste passo mui infestado dos tapuias. Despedida a escolta, se descobriu logo quanto o inimigo da salvação das almas tratava de estorvar esta viagem, como se experimentou mais no discurso dela. Como em todo êste caminho não há povoação nem estalagem, é um dos grandes trabalhos e dificuldades dêle haver de levar o mantimento às costas, que vem a ser a farinha que chamam de guerra, que é o biscoito destas terras, o qual ao uso delas se leva em uns como sacos de vimes, tecidos ou embastidos de fôlhas. Sucedeu, pois, que os que levavam êstes sacos às costas, assim por se aliviarem do pêso, como por ser gente que come sem nenhuma regra, em treze dias, que tinha durado a viagem, os tinham desentranhado, de maneira que quando os padres foram a dar balanço à farinha, não acharam mais que o vulto da folhagem, e que toda a tropa, que constava de sessenta bocas, estava totalmente sem mantimento. Todos votavam que voltassem outra vez para o Maranhão pois não tinham de que se sustentar, e lhes restavam por andar as três partes do caminho, estas do maior trabalho e detença. Mas os padres resolveram que o que se havia de padecer tornando atrás se padecesse prosseguindo adiante, e, animando aos índios, se fêz assim, e se sustentaram sòmente de caranguejos, com algum pouco peixe que lhes deram os teremembés em dois dos seus magotes que encontraram. Governava um dêstes magotes Tatuguaçu, um dos quais tinha ido ao Maranhão, e que era o intérprete dos demais, ao qual, como logo então se colheu de suas palavras, nunca lhe pareceu bem que as suas praias fossem francas aos portuguêses, e devassadas de passageiros; e como esta era a primeira viagem, tratou de cortar nela o fio e os intentos a todas as demais, dando de noite um bom assalto nos nossos. A este fim, convidou uma boa parte dos índios a certa pescaria, que se havia de fazer de noite em um pôsto distante, e aos soldados portuguêses, que eram oito, também os procurou retirar, tomando para isso uma traça que bem se via ser inspirada pelo demônio, e foi prometer-lhes que lhes mandaria algumas de suas mulheres, para os ter longe dos padres, e divertidos, tendo no mesmo tempo escondido no mato o maior corpo da sua gente, para rebentar com ela nas horas do maior descuido. De tudo isto estavam os padres bem inocentes, fazendo exame da consciência, como é costume, para se recolherem a descansar, quando no mesmo exame lhes veio um escrúpulo, sem dúvida inspirado pelo anjo da guarda, começando a duvidar da fé do teremembé, e inferindo do mesmo bom agasalho que lhes fizera a traição que debaixo dêle tinha, ou podia ter armado. Com esta suspeita, sem outro indício nem averiguação, ordenaram que se fizesse logo a marcha que estava disposta para se fazer de madrugada, abalando com todo o silêncio, e marchando toda a noite, e dêste modo amanheceram livres e vivos os que tinham decretada a morte para aquela noite. Assim o descobriu depois aos padres uma velha da mesma nação, a qual tinha ido ao Maranhão na ocasião das pazes, onde fora mui bem tratada dos nossos, e agora, em agradecimento, veio escondidamente a trazer-lhes aquêle aviso, que ainda foi bom para a cautela, posto que se não acabaram aqui os perigos.


Riscos da Viagem[editar]

- VII -

Rios caudalosos que se atravessam nesta jornada. Risco da canoa em que ia o padre Ribeiro. Livram milagrosamente. Chegam êstes missionários à desejada Serra de Ibiapaba.

Um dos perigos e trabalhos grandes que tem êste caminho é a passagem de catorze rios mui caudalosos, que o atravessam, e se passam todos por meio da foz, onde confundem e encontram suas águas com as do mar; e porque não há nestes rios embarcação para a passagem, é força trazê-la do Maranhão com imenso trabalho, porque se vem levando às mãos por entre o rôlo e a ressaca das ondas, sempre por costa bravíssima, alagando-se a cada passo, e atirando o mar com ela, e com os que a levam, com risco não só dos índios e da canoa, senão da mesma viagem, que dela totalmente depende. Muitas vêzes é também necessário arrastá-la por grande espaço de terra e montes, para a lançar de um mar a outro, e talvez obrigam estas dificuldades a tomar a mesma canoa em pêso às costas com tôda a gente, e levá-la assim por muitas léguas; de modo que, para haver embarcação para passar os rios, se há de levar pelo mar, pela terra e pelo ar, e bem se vê quanta seria a moléstia e aflição dos padres nesta sua viagem, em persuadir e animar a um trabalho tão forte a homens que quase vinham sem comer, e mal podiam arrastar os corpos. Na passagem do Rio Paramirim, que é o mais forçoso de todos, foi tal o ímpeto da corrente, que, arrebatando a canoa, a levou rodando mais de três léguas pelo mar alto dentro, dando já todos por perdidos ao padre Antônio Ribeiro, que nela ia, e sete índios. Chamaram todos neste apêrto pela Virgem Nossa Senhora da Conceição, invocando seu nome a grandes brados, como sucede na última desesperação dos remédios humanos; e por milagre da Senhora, depois de cinco horas de lutar com as ondas, o mesmo mar os trouxe à terra, não havendo já quem tivesse ânimo nem braços para poder sustentar os remos nem o govêrno. Sucedeu neste perigo uma circunstância de trabalho nunca vista nem imaginada: ia o rio em partes profundamente entrando por entre morros de areia mui altos, dos quais, com o perpétuo remoinho dos ventos, era tão espêsso o chuveiro da areia que caía sobre a canoa, que, trabalhando a maior parte dos que nela iam em a lançar fora com as mãos, com os remos, com os chapéus, e com tudo o que podia ser de préstimo, não bastavam a alijar e descarregar o pêso dela, que por momentos os ia alagando e levando a pique; mas de tudo os livrou a proteção daquela divina Senhora, a quem tudo obedece. As outras moléstias e incomodidades, que padecem nesta viagem homens criados no retiro da sua cela, são muito para agradecer e louvar a Deus; porque o caminho, que é de mais de cento e trinta léguas pelo rodeio das enseadas, o fazem os padres todo a pé, e sem nenhum abrigo para o sol, que nas areias é o mais ardente; porque em todas elas não há uma só árvore, e até a lenha a dá não a terra, senão o mar, em alguns paus secos que deitam as ondas à praia. A cama era aonde os tomava a noite, sobre a mesma areia, e também debaixo dela, porque marchavam no tempo das maiores ventanias, as quais levantam uma nuvem ou chuva de areia tão contínua, que em poucas horas de descuido se acha um homem coberto ou enterrado; até o mesmo vento - coisa que parece incrível - é um dos maiores trabalhos e impedimentos desta navegação por terra, porque é necessária tanta fôrça para romper por êle, como se fôra um homem nadando, e não andando. Enfim, como esta era a primeira viagem que se fazia ou abria depois de tantos anos por estas praias, a falta de experiência, como sucede em todas as coisas novas, fazia maiores os trabalhas e os perigos. Mas, vencidos todos com o favor de Deus, que da fraqueza tirava forças, aos 4 de julho de 1656, em que se contaram trinta e cinco de viagem, chegaram os padres à sua desejada Serra de Ibiapaba sem alento, nem côr, nem semelhança de vivos, que tais os tinha parado o caminho e a fome. Quão acomodado, porém, fôsse êste lugar, onde chegavam para descansar e convalecer de todos êstes trabalhos, se ver pela breve relação que agora daremos da terra.

Ver descrição da Ibiapaba