Tratado da Terra do Brasil/I/VII

Wikisource, a biblioteca livre
< Tratado da Terra do Brasil‎ | I
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Capitania do Espírito Santo está cinquenta léguas de Porto Seguro em vinte graus, da qual é Capitão e governador Vasco Fernandes Coutinho. Tem um engenho somente, tira-se dele o melhor açúcar que há em todo o Brasil. Pode ter até cento e oitenta vizinhos. Há dentro da povoação um mosteiro de padres da Companhia de Jesus. Tem um rio mui grande onde os navios entram, no qual se acham mais peixes-bois que noutro nenhum rio desta costa. No mar junto desta Capitania matam grande cópia de peixes grandes e de toda maneira, e também no mesmo rio há muita abundância deles. Nesta capitania há muitas terras e mui largas onde moradores vivem mui abastados assim de mantimentos da terra, como de fazendas. E quando se tomou a fortaleza do Rio de Janeiro desta mesma Capitania do Espírito Santo sustentaram toda a gente e proveram sempre de mantimentos necessários enquanto estiveram na terra os que defendiam.

Rios[editar]

Avante desta capitania em altura de vinte e um graus está o frio de Paraíba, este é mui grande e formoso e tem infinito peixe. Junto do Cabo Frio em altura de vinte e dois graus está a Baía formosa, na qual se pode fazer uma capitania de muitos vizinhos, onde também se perdem muitas terras por falta de gente. Outros muitos rios há nestas partes que deixo de escrever por serem pequenos e não se fazer tanto caso deles, nem minha tensão foi outra senão tratar destes mais notáveis, onde se podem fazer algumas povoações e conseguir proveito das terras viçosas que por esta costa estão desertas.