A Alma do Lázaro/II/XX

Wikisource, a biblioteca livre
< A Alma do Lázaro
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Alma do Lázaro por José de Alencar
Segunda Parte: O Diário, 15 de abril de 1752


Vejo-a todas as noites.

Sempre recostada ao balaustre, esfolhando ao vento as rosas fragrantes, entretêm-se nesse brinco inocente até a hora de recolher.

Sabe ela que eu a devoro com os olhos, cá do meu refúgio?

Às vezes receio que se tenha apercebido da minha presença constante naquele sítio; e é quando reclina-se mais no balaústre, e estende o colo, como se procurasse afirmar-se do que entrevira.

Nessas ocasiões coso-me ao tronco do coqueiro, e deixo-me ficar sem movimento pelo resto da noite, até que recolhida ela, me posso esgueirar para casa.