A Divina Comédia/Inferno/VIII

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa
A Divina Comédia por Dante Alighieri, traduzido por José Pedro Xavier Pinheiro
Inferno — Canto VIII
Tradução de José Pedro Xavier Pinheiro


Flégias corre com a sua barca para os dois Poetas serem conduzidos, passando à lagoa, à cidade de Dite. No trajeto encontram a Filipe Argenti, florentino, que discute com Dante. Chegando às portas de Dite, os demônios não o querem deixar entrar. Virgílio, porém, diz a Dante que não lhe falte a coragem, pois vencerão a prova e que não há de estar longe quem os socorra.

Acrescentar eu devo, prosseguindo,
Que da torre inda estávamos distantes,
Quando os olhos ao cimo dirigindo,

Dois fanais brilhar vemos vacilantes,
A que outro de tão longe respondia,
Que mal se avistam seus clarões tremantes.

E eu de todo o saber ao mar dizia:
— “Os lumes dois por que? Por que o terceiro?
Para acendê-los quem razão teria?” —

— “Pela onda impura” — me tornou — “ligeiro
Quem se aguarda já vês, se não te empece
A vista do paul o nevoeiro”. —

Qual seta, que pelo ar veloz corresse
Da corda arremessada, discernimos
Tênue batel, que vir pra nós parece.

A regê-lo um arrais distinguimos:
— “Alfim chegaste, espírito execrando!”
Em retumbante grita nós lhe ouvimos,

— “Flégias, Flégias, estás em vão bradando!” —[1]
Disse-lhe o Mestre — “nos terás somente
Enquanto formos o paul passando.” —

Como quem reconhece, e pesar sente,
Um grande engano, que se lhe há tecido,
Flégias assim na sua ira ardente.

Tendo Virgílio à barca descendido,
Eu segui-o: somente aos meus pesados
Passos mostrou ter carga recebido.

Em sendo o Mestre e eu no lenho entrados,
O lago foi cortando a antiga proa
Com sulcos mais que de antes profundados,

Enquanto assim corremos, eis me soa
De lutulenta sombra voz que exclama:
— “Quem és que em vida vens para a lagoa?”

— “Sim, venho, mas não fico nesta lama.
E tu quem és que imundo te hás tornado?” —
— “Bem vês: um sou que lágrimas derrama.”

E eu então: — “Fica em lodo mergulhado.
Em dor, em pranto, espírito maldito!
Sei quem és, se bem stás desfigurado”. —

Tendeu à barca as mãos aquele aflito,
Mas por Virgílio, que o repele presto
— “Com teus iguais vai, cão, te unir!” — foi dito.

Abraçando-me então com ledo gesto
Me oscula e diz: — “Abençoado seja,
Quem tão altivo te gerou e honesto!

“Essa alma, que de orgulho inda esbraveja,
Avessa ao bem, de raiva possuída,
Deixou em si memória, que negreja.

Quantos reis, grandes na terrena vida,
Virão, quais cerdos, se atascar no lodo,
Fama de si deixando poluída!” —

— “Mestre, grato me fora sobremodo
Vê-lo no ceno mergulhar profundo,
Antes de eu ter daqui saído em todo”. —

— “Antes que a margem — respondeu jocundo —
Avistes, gozarás dessa alegria,
Verás penar o espírito iracundo”. —

E logo ao pecador, como à porfia,
Tanta aflição causou a imunda gente,
Que ainda louvo a Deus, que o permitia.

Gritavam todos: — “A Filipe Argenti!” —[2]
E a florentina sombra, se volvendo
Contra si, se mordia insanamente:

Lá o deixei, não mais nele entendendo.
Súbito, ouvindo um lamentar amaro,
Os olhos fitos para além e atendo.

E o bom Mestre me disse: — “Ó filho caro,
Stá perto Dite, de Satã cidade,
Que há povo infindo para o bem avaro”. —

— “Lá do vale no fundo em quantidade
Mesquitas” — respondi — “rubras discerno
De flama, creio, pela intensidade”. —

E o Mestre a mim: — “As faz o fogo eterno
Vermelhas, que lá dentro está lavrando
Como tens visto neste baixo inferno”. —

Já nos profundos fossos penetrando
De que o triste alcáçar é circundado,
Me estavam ferro os muros semelhando.

Mas, após grande giro, hemos tocado
Na parte, onde o barqueiro com voz forte
— “Saí” — gritou — “à entrada haveis chegado!”

À porta vi daqueles grã coorte
Que o céu choveu; bramiam de despeito:
“Este quem é que, antecipando a morte,

“Tem dos mortos no reino sido aceito?” —
Meu sábio Mestre então lhes fez aceno
Para, em secreto, expor-lhe seu conceito.

Contendo um pouco às sanhas o veneno
Disseram: — “Vem tu só; vá-se o imprudente,
Que neste reino entrou, de audácia pleno;

“Só deixe a empresa em que embarcou demente;
Tente-o, se sabe; ficarás no entanto;
Pois és seu guia à região nocente”. —

Imagina, ó leitor, qual fosse o espanto
Meu escutando a horrífica ameaça:
Não deixar a mansão temi do pranto.

“Ó Mestre meu, que tanta vez a graça
Fizeste de alentar-me o peito aflito
No perigo iminente e atroz desgraça,

“Não me deixes” — disse eu — “neste conflito!
E, se avante passar é defendido,
Ambos voltemos do lugar maldito!” —

Quem tão longe me havia conduzido
— “Não temas” — diz — “não pode ser vedado
O passo, que por Deus foi permitido.

“Aqui me espera e o ânimo prostrado
Fortalece e alimenta de esperança:
Não hás de ser no inferno abandonado”. —

O doce pai se afasta e à porta avança.
Ficando assim na dúvida e incerteza,
No pró, no contra a mente se abalança.

Não pude o que propôs ouvir; na empresa
Curta há sido a detença: de repente
Esquivam-se os precitos com presteza.

De roldão cerra a porta a imiga gente
Do Mestre à face, que, ficando fora,
A mim se restitui mui lentamente.

De olhos baixos, faltava-lhe a de outrora
Afouteza, e dizia suspirando:
“Quem me tolhe da dor a estância agora?” —

E logo a minha alteração notando
“Não te aflijas; que os óbices te digo
Hei de vencer que a entrada estão vedando.

“Não é nova esta audácia do inimigo;
Em mais patente porta há já mostrado,
Que sem ferrolho está: viste-a comigo,

“E a lúgubre inscrição lhe hás contemplado.
Deixou atrás e desce a penedia,
Pelos círc’los passando não guiado,

Abrir quem pode esta cidade ímpia”. —

Notas[editar]

  1. Flégias, personagem da antiga mitologia, que incendiou o templo de Apolo, por ter este violado a sua filha. [N. T.]
  2. Filipe Argenti, dos Adímari de Florença, inimigo político de Dante. [N. T.]