Cantigas de Santa Maria/XLIII

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa
Cantigas de Santa Maria por Afonso X
Cantiga XLIII: Porque é Santa Maria


Esta é de como Santa Maria resucitou un meno na ssa eigreja de salas.

Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira,
poren muito ll' avorrece | da paravla mentireira.

E porend' un ome bõo | que en Darouca morava,
de ssa moller, que avia | bõa e que muit' amava,
non podia aver fillos, | e porende se queixava
muit' end' el; mas disse-ll' ela: | «Eu vos porrei en carreira
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Com' ajamos algun fillo, | ca se non, eu morreria.
Poren dou-vos por conssello | que log' a Santa Maria
de Salas ambos vaamos, | ca quen se en ela fia,
o que pedir dar-ll-á logo, | aquest' é cousa certeira.»
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Muit' en proug' ao marido, | e tan toste se guisaron
de fazer sa romaria | e en seu cam' entraron.
E pois foron na eigreja, | Santa Maria rogaron
que podessen ayer fillo | ontr' el e ssa conpanneira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

E a moller fez promessa | que se ela fill' ouvesse,
que con seu peso de cera | a un ano llo trouxesse
e por seu servidor sempre | na ssa eigreja o désse;
e que aquesto comprisse | entrou-ll' ende par maneira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

E pois aquesto dit' ouve, | ambos fezeron tornada
a Darouca u moravan; | mas non ouv' y gran tardada
que log' a poucos de dias | ela se sentiu prennada,
e a seu temp' ouve fillo | fremoso de gran maneira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Des que lle naceu o fillo, | en logar que adianos
déss' end' a Santa Maria | teve-o grandes set' anos
que lle non vo emente | nen da cera nen dos panos
con que o levar devera, | e cuidou seer arteira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Ca u quis te-lo fillo | e a cera que tia,
deu fever ao meno | e mató-o muit' aga,
que lle nunca prestar pode | fisica nen meeza;
mas gran chanto fez la madre | pois se viu dele senlleira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Que o soterrassen logo | o marido ben quisera;
mas la madre do meno | disse con gran coita fera
que el' a Santa Maria | o daria, que llo dera
con sa cera como ll' ela | prometera da primeira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

E logo en outro dia | entraron en seu camo,
e a madr' en ataude | levou sig' aquel meno;
e foron en quatro dias, | e ant' o altar festinno
o pos, fazendo gran chanto, | depenando sa moleira
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

E dizend' a grandes vozes: | «A ti venno, Groriosa,
con meu fill' e cona cera | de que te fui mentirosa
en cho dar quand' era vivo; | mas, porque es piadosa,
o adug' ante ti morto, | e dous dias á que cheira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Mas se mio tu dar quisesses, | non porque seja dereito,
mas porque sabes mia coita, | e non catasses despeito
de como fui mentirosa, | mas quisesses meu proveito
e non quisesses que fosse | nojosa e mui parleira.»
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Toda a noit' a mesquinna | estev' assi braadando
ant' o altar en gollos, | Santa Maria chamando
que ss' amercasse dela | e seu Fillo ll' ementando,
a quen polas nossas coitas | roga senpr' e é vozeira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Mas, que fez Santa Maria, | a Sennor de gran vertude
que dá aos mortos vida | e a enfermos saude?
Logo fez que o meno | chorou eno ataude
u jazia muit' envolto | en panos da liteira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Quando o padr' e a madre, | que fazian muit' esquivo
doo por seu fillo, viron | que o men' era vivo,
britaron o ataude | u jazia o cativo.
Enton vo y mais gente | que non ven a ha feira,
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...

Por veer o gran miragre | que a Virgen demostrara
de como aquel meninno | de morte ressucitara,
que a cabo de seis dias | jazendo morto chorara
por prazer da Groriosa, | santa e dereitureira.
Porque é Santa Maria | leal e mui verdadeira...