Castelo Perigoso/LIX

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo LIX – Que a oração é um singular refúgio contra as tentações do pecado. E como é apurada de quatro coisas, e que alguma coisa é pedida ao Senhor não com sageza e que, portanto, a não outorga


Aquele donjom que é torre de menagem é chamada oração, e é tão forte e tão nobre que, quando o castelo do coração treme e é a ponto de cair ou que os inimigos são entrados por algum mau consentimento ou por pecado, homem se socorre à oração, ca este é o sobre todos remédio por que mais asinha é socorrido e relevado. E Santo Ambrósio diz: "Oração é um bom escudo contra os dardos dos diabos". E Isidoro diz que este é verdadeiro remédio contra as tentações do pecado.

Oração é muito poderosa ante Deus quando é apurada de quatro coisas A primeira é fé, de que Deus diz no Evangelho: "Qualquer coisa que demandardes em vossas orações, havei boa fé e firme crença em Deus e ser-vos-há outorgada" A segunda coisa é esperança de haver homem o que requer. Ca diz Davi: " havei esperança e ele fará vossas petições". Deus mesmo nos dá esperança de o requerirmos, que diz: "Quem pede, recebe; e quem busca, acha; e quem toca, Deus lhe abre". Isto se entende: quem demanda sagemente e quem busca com diligência e quem toca perseverando, Deus acaba seus rogos, ainda que seja tarde, mas que homem peça humildosamente. Por isto não foi o fariseu exalçado que demandava presunçosamente e gabava-se em sua oração dos bens que cuidava haver, e alterava-se ante Deus e desprezava os outros.

Não deve fazer assim quem quer ser ouvido, mas como o pobre publicano que se julgava e desprezava e fazia-se humildoso ante Deus nem ousava alevantar os olhos da terra e batia sua culpa e dizia: "Senhor Deus, have mercê deste cativo pecador, e não me faças segundo meu merecimento, mas segundo a abundança de tua misericórdia".

Quem assim faz é ouvido; e quem se acusa, Deus o escusa. Homem deve demandar sagemente, scilicet, grande coisa e proveitosa. São Paulo não demandou sagemente quando pediu que lhe tirasse Deus a tentação da carne que sofria; mas Nosso Senhor não esguardou a sua vontade, mas a seu proveito, e não lha quis tirar, que lhe era proveitosa.

Duas coisas nos são necessárias: os bens espirituais e os temporais. Por isto nos ensina Deus como havemos de rogar: "Buscai primeiro o reino de Deus, diz ele, à sua justiça, e todas as outras coisas havereis".