Castelo Perigoso/LX

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo LX – Que o homem deve comer por viver, mas não viver por comer; e de como havemos a orar


Isto é que diz são Paulo: "Que quer que fizerdes ou disserdes seja todo à honra e louvor de Deus". E se buscais os bens temporais, seja a tenção de governar o corpo para servir Deus. Ca o homem não deve viver por comer; mas comer por viver, e assim se busca primeiro o reino de Deus. Assim não devemos a demandar que Deus nos tire as tentações, mas que nos dê força de as vencer. E deve homem rogar: "Senhor, não me faças segundo meus desejos, mas segundo o proveito de minha alma". Assim demanda homem sagemente.

Desde aí, homem deve demandar perseverando, assim como fazia a cananéia que rogava por sua filha, e Deus por semblante a desprezava; mas ela tanto perseverou em seu rogo que impetrou sua necessidade. E se tu não recebes do primeiro rogo, não desprezes por isso tua oração. Ca, segundo diz são Bernardo, Deus não a despreza, mas, antes que saia da tua boca, a manda escrever em seu livro. E deves haver certa esperança que ele te dará o que lhe demandas, qual que te seja mais proveito.

E deve homem rogar devotamente, scilicet, cerrar todos os sentidos de seu corpo e entrar em seu coração por não haver algum torno das coisas de fora, ca no tempo da oração deve homem deixar o menos pelo mais. E são Cipriano diz: "Como queres tu que te Deus ouça, quando tu mesmo não te entendes"? A oração que é toda em folhas, scilicet, de palavras sem devoção, não pode prazer a Deus, ca ele não é cabra que se queira governado de folha, mas de flor do amor e do fruto do coração. Isto diz Santo Agostinho. E são Gregório diz: "Verdadeiramente rogar é lançar amargosos gemidos de compungimento, e tal rogo praz a Deus mais que multidão de palavras afetadas e fingidas".

Devemos ainda cada dia bradar a Deus que contra o fogo da cobiça e da luxúria e da ira nos dê água de lágrimas que o apague, e contra as ondas de maus pensamentos que se levantam amiúde no coração, ainda que não pereça por mau consentimento.