Castelo Perigoso/LVII

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo LVII – Que quanto a pessoa é mais rica de graças, tanto se mais deve temer que lhe não faleçam as vitualhas espirituais, e que o monge deve ter cada dia, depois de [hora] completa, capítulo em si mesmo


Assim deve fazer a devota pessoa que se sente cercada de desvairadas tentações, e quanto é mais rica de graças e merecimentos, tanto se mais deve temer e estar sob guarda. Ca onde alguma coisa não há, não é necessária fechadura. E um poeta diz: "não é menor virtude de bem guardar o que é alcançado que de o alcançar".

Ora, deve a pessoa que de todas partes é cercada viver temperadamente, ca são Gregório diz: "Do campo da batalha espiritual não pode algum haver vitória de seus inimigos, se primeiro não vence o apetite da gargantuíce, porque com ele lhe convém primeiro a combater. Segundo diz uma glosa de são Mateus: "E se esta primeiro não é vencida, em vão homem peleja com os outros vícios".

E assim a vida temperada é guarda da saúde da alma, e gargantuíce a destrói, ca ela faz homem pesado e preguiçoso e sonolento e doentio. E assim deve homem viver temperado, que lhe não faleçam as vitualhas espirituais, que são ledice de espírito e divinal consolação e lágrimas devotas. Ca são Bernardo diz: "Viçosa coisa é a consolação divinal, e Deus não a dá a quem outra recebe".

Desde aí, os sages poucas vezes saem fora. E assim deve fazer a devota pessoa, seja religiosa ou secular, quer dizer, sem obediência. Tal pessoa não deve sair sem licença de seu capitão, que é discrição, e bem armada de devota oração e em grande temor que não caia em algum pecado ou outrem por ele. E deve de tornar a seu castelo o mais cedo que puder como à defensão e saúde de sua alma, porque a grande tardança entre os inimigos é perigosa. O capitão da pessoa religiosa é seu maior, sem cuja licença não deve sair, e deve haver companhia vergonhosa e segura, e assim como é dito, ela deve sempre ser sob sua guarda.

Além disto, deve cada dia buscar os muros e todos os edifícios de seu castelo e esguardar com diligência se há aí alguma coisa derrubada ou lugar por onde os inimigos possam entrar, isto é, os cantos de sua consciência examinar com bom cuidado, que não haja coisa que repreender; e se for achada, logo se deve corrigir por verdadeira confissão. Ca diz são Bernardo: "A devota pessoa que quer vir a perfeição, deve cada dia depois da completa ter capítulo em si mesmo e chamar, scilicet, recordar todos os feitos e ditos e pensamentos e tardanças de bem fazer daquele dia".

Isto deve a consciência acusar e humildade conhecer e a discrição julgar e o temor de Deus punir e emendar as mínguas por contrição e confissão e satisfação. Este costume faz os homens vir à perfeição e crescer em amor de seu Criador e tem forte o castelo do coração contra os inimigos e ensina a conhecer os erros e dá esforço nas obras espirituais, que aquele é maldito de Deus que em suas obras é negligente.

Por isto deve homem seguir os melhores. Ca Davi disse: "Com os santos serás santo e com os perversos serás perverso". Nem por isto não deve homem, segundo diz são Bernardo, desprezar nem condenar os pecadores, embora os não queira seguir. Ca, segundo são Gregório: "Tais são hoje pecadores que de manhã serão bons". E assim pelo contrairo.

Desde aí, quando homem tem bem buscados muros e edifícios de seu castelo, deve pôr melhor guarda onde o lugar é mais perigoso. Quer dizer que dos pecados de que se homem sente mais tentado e a que é mais inclinado, deve pôr maior diligência para se guardar e fugir a todas ocasiões que a isto podem demover; ca o diabo, que sempre é mau, combate a pessoa daquela parte onde a vê mais fraca e mais inclinada.

Desde aí, os homens se devem avivar uns aos outros a todas boas obras espirituais e se guardar de pecado por devoção e oração e a louvar Deus e dar-lhe graças, ca o sacrifício do louvor honra Deus, segundo diz Davi, e espanta e encorre os inimigos do castelo do coração, e muitas acha aí de doces consolações quem inteiramente o faz.

Desde aí, gente cercada dorme pouco, e são Bernardo diz que muito dormir companheiro é da bebedice e que quanto dormimos tanto perdemos de tempo. E diz Nosso Senhor no Evangelho: "Bem-aventurado será o servo que seu Senhor achar vigiando quando bater à sua porta". E sem dúvida dormir é ocasião de muitos males. E pois quem quiser guardar o castelo de seu coração não deve de dormir, mas estar sempre sob guarda.