Castelo Perigoso/LXII

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo LXII – Que a oração deve haver duas asas; e de como em duas maneiras é empachada. Desde aí, que coisa que o homem faça em pecado mortal não aproveita quanto é à salvação


Devemos de saber que para a oração mais toste subir ao céu deve a haver duas asas: jejum e esmola. Ca, segundo diz Sant’Ambrósio, boa vida faz oração voar a Deus e pecado a torna. E Isidoro diz: "Em duas maneiras é a oração é empachada: ou por homem não deixar de pecar ou por não querer perdoar a outrem sua má vontade". Ca nunca a chaga pode guarecer em quanto o ferro for dentro, nem a oração muito valer em quanto a má vontade for no coração do que ora.

E devemos saber que não é tão pobre que não haja que dar, nem pessoas da religião, que não devem dar sem licença, não são escusadas de fazer esmola, ca quem não há que dar tenha boa vontade e basta a Deus. E são Gregório diz que a mão nunca está vazia de dons em quanto a arca do coração está cheia de boa vontade.

Quem não tem de que faça corporal esmola, faça-a espiritual de orações e pregações e bons exemplos, que muito valem. E são Gregório diz: "Maior coisa é governar a alma, que sempre dura, que o corpo que asinha morre". E são Tiago diz: "Muito vale a oração do justo continuada, e mais vale a de muitos". Ca Deus disse no Evangelho: "Se dous ou três são juntos em meu nome, o que pedirem a meu padre, seer-lhes-há outorgado". E por isto são as boas petições dos comuns.

E sabei que coisa que homem faça em pecado mortal não lhe aproveita quanto à salvação, mas aproveitam a três coisas, ca homem é mais asinha chamado a estado da graça, e haverá mais pouca pena no inferno ainda que morra no pecado, e endereça melhor todos seus feitos. Por isto não deve a algum deixar de fazer bem em qualquer estado que seja.