Castelo Perigoso/VII

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo VII – Da inveja e diversas maneiras dela


Por inveja peca homem sempre, cada vez que há dor ou tristeza do bem e avançamento de outrem e se alegra com o mal de seu inimigo; e por inveja diz homem mal por detrás daqueles a que mostra bom semblante em presença. E isto acontece por estes haverem mais graças espirituais e corporais, ou se hão melhor a graça e o amor dos senhores que eles, ou se são mais honrados e mais louvados ou mais formosos, ou mais grados ou mais corteses, ou mais ricos, ou mais sages que ele.

Quando o invejoso vê ou ouve os bens de tais pessoas; ele os plasma[1], quando pode, por os abater. E se alguém diz mal, ele se alegra e ajunta aí do seu. Este é um espantoso pecado e é mais de esquivar, se homem há inveja da bondade e graça espiritual de outrem, que isto é pecar contra o Espírito Santo.

Notas[editar]

  1. "Difama", "recrimina".