Castelo Perigoso/X

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo X – Desa mesma, e de como não há coisa tão vil e de tão grande dano como perder tempo


Por preguiça cai homem em ociosidade que é causa de muitos males, porque quando homem está ocioso, então vêm as tentações do diabo e do mundo e da carne. Por isso disse são Jerônimo: "Faze sempre algum bem que o diabo não te ache ocioso e te meta em suas obras".

E de estar ocioso vem que o homem encorre em vãs deleitações e em desonestos falamentos e em más companhias e em desenfadamentos desordenados. E perde homem o tempo que lhe Deus dá para fazer pendência dos pecados.

Não há aí coisa tão preciosa, segundo diz são Bernardo, como o tempo, que em uma só hora pode homem ganhar o paraíso. Haa, mesquinho, que o dia de hoje, aí não há coisa tão vil! Grande pecado e grande dano é perder o tempo. Ca dia virá que mais amaria o pecador uma só hora de tempo para fazer pendência, se a pudesse haver, que todo ouro do mundo. Mas isto será muito tarde que a porta da pendência será fechada e dirão às virgens sandias: "Necio vos".

E sabei que de todo o tempo mal empregado, até um só momento havemos de dar razão no dia do Juízo. E de todas palavras e pensamentos ociosos. São Bernardo diz que todo o tempo, em que homem não faz ou diz algum bem ou pensa em Deus é perdido. Haa, Deus, quantos males vêm da preguiça e negligência de servir e amar Deus! Que homem é frio e sem devoção e anojado e triste e fraco e lasso e preguiçoso para todo bem.

Porque isto vê homem amiúde acontecer, que uma fraca pessoa e de pequena compleição e doentia que serve Deus de bom coração e sem preguiça, será mais forte a fazer todas maneiras de pendência que dez outras fortes de corpo e esforçadas, que sejam frias e preguiçosas no amor de Deus. Que quem em Deus mete seu coração, Deus põe o seu em ele e lhe dá força e tal coração, que nenhuma coisa o agrava, que faça por seu Senhor e Amigo, que a alma e o corpo e o coração há dado por o haver em sua companhia.