Castelo Perigoso/XX

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo XX – Que esposa de Jesus Cristo deve ser limpa e virgem, e põe certos[1] sinais de virgindade


Ora haveis ouvido a quem haveis de haver paz: a Deus e a vossos próximos e a vossos maiores e vós mesmos. Ora devemos de saber que Jesus Cristo é esposo não tão somente das monjas, mas de todas as santas almas.

E assim como ele é limpo, quer haver esposa sem sujidade, assim como diz no Livro do Levítico, que o principal clérigo deve filhar mulher para seu casamento que seja virgem e não suja nem (comumha?)[2].

Pelo clérigo se entende Jesus Cristo, que não filha esposa senão é virgem. E por isto é escrito no Quinto Livro da Lei que se homem requer a sua esposa sinais de virgindade, ela é teúda de os mostrar. Dos quais, e entre os outros muitos, são quatro especiais por que virgindade é conhecida:

O primeiro é humildade, sem a qual virgindade pouco vale. Que, segundo diz são Bernardo, sem virgindade pode homem ser salvo, o que não pode ser sem humildade. Por isto disse Nossa Senhora no Manificat que Deus esguardara sua humildade e não sua virgindade; e uma corrupta repreendida[3] e humildosa mais praz a Deus que uma virgem soberba. Mas quando virgindade e humildade são em uma pessoa, esta praz muito a Deus.

Notas[editar]

  1. "Certos, exatos, certeiros" e não "certos, uns, alguns"
  2. "Comum"?
  3. No original: "repreendida". Sugere a troca de "repreender", no texto, por "arrepender", mais próximo do sentido.