Castelo Perigoso/XXII

Wikisource, a biblioteca livre
< Castelo Perigoso
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Castelo Perigoso
Capítulo XXII – Do terceiro sinal e quarto, e de como a corrupta se torna virgem e recobra a graça antes perdida


O terceiro sinal de virgindade é pobreza de dinheiro, ca se homem a uma simples moça visse muitos dinheiros, a razão faria presumir que não era virgem, mas que os houvera por desonesto ganho. E por isto se cotuma dizer de uma pobre pessoa: "Ele é mais pobre que uma virgem".

Jesus Cristo é rico rei, é todo poderoso. Por isto quer filhar esposa pobre e nua, assim como fazem os reis da terra. A verdadeira esposa de Jesus Cristo não pode levar consigo coisa de que lhe tanto praza como santa pobreza, que ele amou sempre tanto que morreu na cruz pobre e todo nu.

E sabei que pobreza simplesmente não é virtude, porque muitos aí há de pobres contra sua vontade que não hão mérito. Mas amor de pobreza é merecimento e virtude. E por isso disse Jesus Cristo: "Bem aventurados são os pobres de espírito".

O quarto sinal de virgindade é doce e simples delgada voz. Porque as corruptas hão as vozes grossas e roucas e rudes.

Simples voz há quem simplesmente se confessa. E doce voz há quem docemente fala a todos palavras de edificação. Ca escrito é em Salomão: "A doce palavra multiplica amigos e pacifica e faz boa vontade aos inimigos".

Delgada voz há quem não sabe falar senão palavras celestiais e de louvor e devotas orações por si e por seus próximos, que vão ante Deus, que diz nos Cânticos a sua esposa: "Seja ouvida tua voz nas minhas orelhas, porque é doce e a tua face formosa".

Aqueles hão grossas vozes, que não sabem falar senão das coisas do mundo e da carne e dos deleites dela. E são Paulo diz: "Más palavras corrompem bons costumes".

Ora, devemos de saber que a alma é sempre virgem até que peca mortalmente. E então é corrupta e desavinda de seu doce amigo e verdadeiro esposo Jesus Cristo. Mas como se repreende verdadeiramente e se confessa inteiramente e faz emenda humildosamente, ela é virgem como dantes, e recobrada à graça e amor do seu bom esposo Jesus Cristo, que disse por Jeremias à alma pecadora, chamando-a docemente: "Tu hás, disse ele, havidos muitos prazeres e hás longo tempo usado de tua vontade e és metida em tuas sujas fornicações. Mas torna-te a mim e eu te receberei docemente".

Direitamente muito é o coração desnaturado e pouco pensa em sua salvação, que ao chamado de tão doce Senhor não torna por emendamento de vida. Pois por tornar pode recobrar sua virgindade e nobreza, assim como diz são Jerônimo; e põe diferença entre o casamento espiritual e o carnal, que no casamento carnal as virgens tornam corruptas, mas no espiritual a corrupta torna virgem.

Isto se entende quanto a alma, porque a carne uma vez corrupta não pode mais cobrar virgindade, ainda que maior mérito pode ganhar e mais amor de Deus; que, assim como diz são Gregório, mais ama um senhor um servidor que foge da batalha e depois torna e faz grandes feitos, que aquele que nunca fez bem nem fugiu. E o campo que já teve espinhos e depois dá bom trigo é mais amado de seu senhor que aquele que nunca deu nem espinhos nem fruto.

E assim é do pecador: se, depois de seus pecados, se repreende amargosamente e ama Deus e honra com grande fervor e esforço, ele com este é mais ledo que com outro que nunca pecou, nem amou nem bem obrou.

Ora, vistes os quatro sinais por que homem conhece se uma mulher é virgem, scilicet, humildade e vergonha e pobreza e delgadeza de voz, que são já declaradas espiritualmente, que o doce e leal esposo das santas almas, Jesus Cristo, requer a suas esposas, e em quem as acha ama lealmente, e se ela persevera até o fim em lhe bem guardar lealdade, ele a coroará altamente em alegria perdurável, à qual nos leve o Padre e Filho e Espírito Santo. Amém.