Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/O lavrador e o ermitão

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Teófilo Braga
123. O lavrador e o ermitão



123. O LAVRADOR E O ERMITÃO

Christo ia pelo mundo com Sam Pedro. Passaram por um campo, onde estava trabalhando um lavrador que rogava muita praga e berrava na labutação da arada. O senhor saudou-o:

— Deus te salve, vida santa.

Foram para diante, e viram estar um ermitão a resar á porta da sua cabana. O senhor saudou-o:

— Deus te salve, vida de porco.

Sam Pedro ficou maravilhado e disse para Christo:

— Senhor! porque é que áquelle homem que praguejava, lhe chamastes vida santa, e áquelle que resava com tanta devoção lhe chamastes vida de porco?

— É porque aquelle que estava praguejando, trabalha, e sustenta a sua familia, e produz alimento para muita gente; e aquelle que está resando, não é util a ninguem e vive á custa das esmolas, que são o trabalho e a privação dos outros.

(Porto.)





Notas[editar]

123. O lavrador e o Ermitão. — O sr. Leite de Vasconcellos traz na revista El Folk Lore andaluz, (ann. I, n.º 5, p. 176) uma variante d'esta lenda colhida nas Duas Egrejas, do concelho de Mirandella, servindo de paradigma a uma versão andaluza de Rodriguez Marin, publicada no Folk Lore andaluz, n.º 2, p. 31-33.