Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/Os trez patrões

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Teófilo Braga
110. Os trez patrões



110. OS TREZ PATRÕES

Um rapaz foi offerecer-se para criado a casa de um lavrador; á noite, quando foram ceiar, deram-lhe uma tigella de caldo. Diz elle:

— Oh meu amo, o caldo está muito quente.

— Pois sópra-lhe.

No dia seguinte o rapaz despediu-se, entendendo lá para si que lhe não convinha servir n'aquella casa, onde nem tempo dariam para comer. Foi-se offerecer a casa de outro lavrador; aconteceu a mesma cousa; ao começar a comer o caldo, disse:

— Oh meu amo, o caldo está muito quente.

— Pois espera que arrefeça.

O moço tambem resolveu não ficar servindo n'aquella casa, cuidando que lhe dariam tempo sem mais nada. Foi-se embora ao outro dia, e chegou a casa de outro lavrador, que o tomou para o serviço. Á ceia disse o moço:

— Oh meu amo, o caldo está muito quente.

— Pois miga-lhe brôa.

O rapaz disse lá para si, que aquella era a casa que lhe convinha, e ali se deixou ficar.

(Airão.)