Dicionário de Cultura Básica/Sêneca

Wikisource, a biblioteca livre
< Dicionário de Cultura Básica
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dicionário de Cultura Básica por Salvatore D’ Onofrio
Sêneca


SÊNECA (filósofo e dramaturgo romano)

"Não há bons ventos para quem não sabe para onde vai"

Lucius Annaeus Seneca (4 a.C – 65 d.C.), dito Sêneca, o Filósofo, para distingui-lo de seu pai Sêneca, o Retórico, nasceu em Córdoba, província espanhola do Império Latino, mas viveu em Roma, onde exerceu a profissão de juiz e de pedagogo do jovem Nero. Mas, quando este se tornou Imperador romano e começou a cometer crimes, Sêneca participou de uma conspiração para depor o tirano. Fracassado o plano, foi condenado à morte. Como bom filósofo ligado ao Estoicismo, aceitou tranqüilamente o término de sua vida. Escreveu tragédias, conforme o modelo grego de Ésquilo, Sófocles e Eurípides (Édipo, Medéia, Fedra, As troianas), em que busca a humanização do mito. Mas ele é mais bem conhecido pela apologia do asceticismo, pregando a renúncia aos bens terrenos. Em suas Consolações, encontramos importantes tratados de moral ("Sobre a tranqüilidade da alma"; "Sobre a clemência"; "Sobre a brevidade da vida"), que foram muito bem ao encontro da mundividência do nascente Cristianismo (→ Cristo). Algumas citações do grande mestre romano:

Toda a arte é imitação da natureza.
O que se aprende profundamente jamais se esquece.
Longo é o caminho ensinado pela teoria, curto e eficaz, o do exemplo.
Jamais descobriríamos alguma coisa se nos contentássemos com o que está descoberto.
Enquanto adiamos as coisas, a vida passa.
Se aproveitares bem o dia de hoje, dependerás menos do de amanhã.
Todo poder excessivo dura pouco.