Fantina/XXVI

Wikisource, a biblioteca livre
< Fantina
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
XXVI
por Francisco Badaró


Tempos depois, em uma varanda ao lado da sala de jantar, via-se uma gamella cheia de comida. Alli reunidos, os creoulinhos comiam, e se acaso um rio branco gritava, e remédio era uma varada pelas costas. Sempre em fraldas de camisa os riobrancos, quando creoulos eram fulos, muito barrigudos, de pernas finas e cheios de monco. Para uso dos captivos D. Luzia tinha mais parcimonia no emprego das substancias medicinaes ; porem os rio-brancos,quando doentes, tomavam uma infusão de cachaça e carqueja, ou um purjante de jalapa, que repetido punha as crianças d'um aspecto esqueletico. De olhos fundos, bocca transida, a planta dos pés côr de açafrão, tal era o typo desses meninos. As lombrigas nos captivos eram curadas com santonina: nos outros applicava-se uma massa de rapadura com mamona brava.


PD-icon.svg Este material está em domínio público nos Estados Unidos e demais países que protejam os direitos autorais por cem anos (ou menos) após a morte do autor.