O Vaqueano/XVII

Wikisource, a biblioteca livre
< O Vaqueano
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Vaqueano por Apolinário Porto-Alegre
Capítulo XVII: A gavota fatal


Seguiu-se um baile.

A família de Capinchos compareceu com outras dos arredores. Rosita tinha então 15 anos.

Jamais pubescência radiara com tanto viço e frescor ao sol da vida. Não era dessas figuras aéreas de nossas cidades, que tão apropriadamente os poetas de hoje, sem o saber, chamam visões vaporosas. Não, nela havia a beleza física em toda a plenitude: contornos cheios, guardando a mais exata euritmia em suas partes e a flexibilidade da criciúma num porte de palmeira. A fina cútis transparecia reflexos róseos e não o mórbido palor que hoje faz o encanto de tantos olhos degenerados e míopes. Era uma criação que destacaria esplêndida do cinzel de um Scopas ou da tela de um Praxiteles; o tipo da serrana rio-grandense que traz em si a pureza de linhas no perfil como o ar que se respira nas cordilheiras.

Mas nos olhos é que ela vivia e reconcentrava toda a alma, inteligência, graça, pudor, donaire e vida, nos olhos tão meigos e melancólicos, velados pela sombra de uma cisma, quando vagueavam após o indefinido e dúbio de um sentimento que ela ainda não conhecia; tão mimosos, castos, risonhos e travessos entre as galas florescentes dos 15 anos, tão esmagadores, soberanos, terríveis e deslumbrantes se traduziam as tempestades de seu coração!

Valia a pena possuí-los!... Quem não amaria o poema cujas estrofes fossem dias de ventura? A cadeia cujos elos fossem grinaldas de balsâmicas flores?

Eis a linda moça com que já ao princípio travamos conhecimento! Quão diferentes não são os períodos?! Que distância entre ambos?! Como a vemos e como a vimos?! Aqui ala nas asas douradas de um sonho para as devesas do infinito, o porvir é a nuvem rosicler que balouça à viração matutina, a existência um sorriso de anjo; lá o coração geme ao peso de uma realidade tremenda, desabrido tufão encapela o temporal num céu de bronze, a esperança aponta-lhe um túmulo, como o marco de repouso.

A história de sua felicidade foi curta.

O baile estava animado. O véu da tristeza, se velava ali algum semblante, breve caiu.

A dança, porventura, espedaçou-o em seus vórtices rápidos e doidejantes.

As violas, machetes e duas flautas espaireciam os ânimos em cada retornelo, em cada nota desferido. Os tocadores gradativamente foram tomados de entusiasmo e arrancavam à porfia dos rudes instrumentos melodias em delírio.

Campava o fandango em suas múltiplas espécies e, como novidade de época, a gavota, que nascera na ópera francesa no século anterior e fora depois preparada para os salões por Gardel. Quando a Europa cansara de ouvir e ver a interessante combinação coreográfica, ela fez sua entrada na América.

O baile, em que todos tomavam parte, interrompia-se, só o cavalheiro e a dama, que iam executá-la, ficavam no meio da sala.

Avençal, dançando-a com Rosita, tivera uma noite de triunfos.

Que lindo par - disseram a uma voz, quando os viram a primeira vez.

Como todos os olhares que convergiram sobre eles os devoravam!

E como iam bem, encetando-a com o passo de minueto grave e tristonho, seguindo de um movimento ao princípio lento, aumentando pouco a pouco até o meneio delirante a floresta febril, a alegria no auge!

O moço, naquele momento, esquecera as idéias sinistras que o preocupavam, de ordinário, para voar no turbilhão da insânia!

Os ódios do mundo esvaeceram para fazê-lo gozar fruições celestes, raras na existência, por isso mesmo as mais preciosas.

Ambos no arroubo dos sentidos se agitavam em louco prazer. A face ardia-lhes purpurada pelo exercício, os seios arquejavam de fadiga voluptuosa.

Durou um quarto de hora.

Quando terminaram, cobriram-nos de aplausos.

Só Moisés não buliu.

A um canto vira com maus olhos o que o próprio Amaral aprovava.

O mulato não abandonara de todo as suspeitas sobre o ex-posteiro. Se nunca as comunicara a outrem, retido pela dúvida, não era porque a mesma antevidência não lhe sombreasse a fronte. Uma voz íntima lhe dizia: se algum dia descobrisse o bandido que trucidara a família de Avençal, não seria outro senão Capinchos. Talvez prevenido, porquanto este o fizera alvo de análoga acusação.

O rapaz é capaz de arrastar cambão pela Rosita - refletia Moisés -, e se o pai é o tratante do assassino, ele a refugará ante a idéia de matá-lo como diante de um casamento. Careço de afastá-lo de tal gentinha de minha quizília; trago-a sempre pelo gasganete...

Terminado o sarau, quando preparava o arrazoado para indispor o moço contra Rosita, uma índia veio referir aos guaicanã que a taba tinha sido assaltada na véspera, por uma tribo do Norte, que lhes levara os utensílios, mulheres e filhos.

O grito de guerra dos selvagens soou, e o mulato teve que partir com os irmãos da floresta.

Quase um mês decorreu até a volta.

O que desconfiava aconteceu.

José do Avençal e Resita amavam-se até o delírio. Rútila inflorescência que viçava com toda a seiva do afeto, toda a vitalidade da paixão naquelas almas virgens e inocentes!

Atração que os unia uma vez para não os separar jamais, amor primeiro e único que devia ser infeliz pelos erros dos antepassados!

Amavam-se, consubstanciavam-se numa s6 entidade, viviam por um mesmo pensamento, as mesmas aspirações e sonhos!

Pobres crianças!

A primavera é bela mas o futuro é negro!

Enquanto as nuvens pressagas, donde pende o tufão, não o desprenderem, aproveitem as migalhas da ventura, corram o prado da vida, colham suas flores, entrancem-nas aos cabelos...

Amanhã será tarde, o vento virá e hão de vê-las esfolhadas em volutabros, tristes e flácidas!...

Pobres crianças! Nem vêem o que já se passa em torno!

Capinchos, cujo rosto à chegada de Avençal ficara anuviado e taciturno, agora andava satisfeito. já falava no próximo casamento de ambos, afirmando que semelhante aliança constituía para ele a suprema felicidade na Terra.

Moisés não menos sombrio.

Felizmente, vendo os negócios mal parados, não quis turbá-los nos castos devaneios.

Poupou-lhes por algum tempo o travo da taça amarga que tinham de prelibar.

Em retorno exigiu um juramento sobre uma sepultura.

Foram testemunhas no ato terrível e solene: Deus, e consciência, o mulato e os espíritos evocados da outra margem da existência - a eternidade.

- Juro - pronunciou calmo e firme - que esta mão, meus queridos pais, meus inocentes irmãozinhos, não desposará Rosita, o que mais amo na Terra, sem tê-la levado a uma nódoa.

- Basta.

E ambos se abraçaram.

Em seguida, vergaram o joelho sobre a terra da campa e os lábios pronunciaram fervorosa oração, enquanto as pálpebras instalavam fio a fio serenas lágrimas de saudade.

Pelo dorso da mata perpassou um arrepio.

Um caboré, cortando o ar, soltou um guincho dolente.

O mais continuou como sempre.

No mesmo dia chegou um mensageiro da parte de Amaral.

O cavalheiro enviava muito saudar e a recomendação especial de não aviar com os negócios da família, sem que ele tomasse parte ao menos como testemunha.

Os negócios da família eram a vingança há tanto preparada.