Olá, guardador de rebanhos

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Olá, guardador de rebanhos (s.d.)
por Alberto Caeiro
1ª publ. in Athena, nº 4. Lisboa: Jan. 1925.


«Olá, guardador de rebanhos,
Aí à beira da estrada,
Que te diz o vento que passa?»

«Que é, vento, e que passa,
E que já passou antes,
E que passará depois.
E a ti o que te diz?»

«Muita cousa mais do que isso.
Fala-me de muitas outras cousas.
De memórias e de saudades
E de cousas que nunca foram.»

«Nunca ouviste passar o vento.
O vento só fala do vento.
O que lhe ouviste foi mentira,
E a mentira está em ti.»