Pensar é preciso/XI/As duas Guerras Mundiais e outros horrores

Wikisource, a biblioteca livre
< Pensar é preciso‎ | XI
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pensar é preciso por Salvatore D’ Onofrio
As duas Guerras Mundiais e outros horrores (Holocausto, Hiroshima, Gulag, maio de 1968, 11 de setembro de 2001


As duas Guerras Mundiais e outros horrores

A modernidade da primeira metade do século passado, se foi benigna pelo progresso das ciências, de outro lado, deixou um lastro de violência nunca visto. Entre 1914 e 1945 aconteceram duas Guerras Mundiais, que causaram a morte de milhões de europeus, além de genocídios e limpezas étnicas. Na Europa, havia várias potências disputando o cenário político: Alemanha, França, Reino Unido, União Soviética, além de nações emergentes no continente americano (USA) e na Oceania (Japão). Havia, então, uma “multipolaridade” de interesses políticos, militares, econômicos, culturais.

Mas, com o fim da 2ª Guerra Mundial, a segunda metade do século começou a tomar o aspecto da bipolaridade: os dois maiores países vitoriosos, USA e URSS, começaram um guerra fria, cada qual querendo impor seu domínio. Capitalismo e Comunismo entraram num confronto que só terminou com a queda do muro de Berlim, em 1989. Os Estados Unidos da América do Norte, então, assumiram a hegemonia mundial, dando-se o fenômeno da unipolaridade: eles impuseram sua moeda, sua economia, sua língua e cultura aos outros povos. Acontece, porém, que nenhuma forma de imperialismo, seja ele capitalista ou comunista, multipolar, bipolar ou unipolar, salvou a humanidade de tragédias vergonhosas que são um insulto à nossa inteligência e sensibilidade. Lembro apenas alguns acontecimentos monstruosos que revelam a existência de uma crueldade niilista no coração da cultura moderna:

1) Holocausto nazista Em grego, a palavra holocausto significa “todo queimado”, com referência aos animais oferecidos às divindades, ritual praticado também por tribos judaicas, conforme registrado no Velho Testamento. Depois da 2ª Guerra Mundial, o termo Holocausto passou a indicar o extermínio de milhões de judeus por Adolf Hitler. Mas o regime nazista massacrou também outros indesejados como comunistas, sindicalistas, eslavos, Testemunhas de Jeová, deficientes físicos ou mentais, homossexuais. Estes grupos pereceram lado a lado nos campos de concentração e de extermínio. Para serem mais facilmente identificados, os presos eram obrigados a afixar no peito triângulos coloridos. Por exemplo: os judeus usavam dois triângulos sobrepostos, de cor amarela, formando a Estrela de Davi; já os homossexuais eram obrigado a pôr no peito um triângulo cor de rosa. O número certo de mortos, desde 1933, quando começou o regime nazista na Alemanha, até seu fim, em 1945, é desconhecido, mas, segundo alguns estudiosos, estima-se que a quantidade de pessoas desaparecidas ou assassinadas durante o conflito chegue a seis milhões de pessoas.

Além das matanças maciças, consideradas uma forma de higienização por incineração, os nazistas utilizavam os presos políticos para experiências médicas em prisioneiros, incluindo crianças. Famoso se tornou o medico nazista Josef Mengele, que passou à história com o nome de “Anjo da Morte” pelos experimentos cruéis e bizarros feitos nos prisioneiros de Auschwitz. Quanto à origem do anti-semitismo, os estudiosos acham que, além do motivo imediato de apossar-se da riqueza dos judeus, os nazistas cristãos se fundamentavam em algumas afirmações do apóstolo Paulo de Tarso:

pelos seus pecados os judeus têm de ser punidos...
os judeus desagradam a Deus e são inimigos de todos os homens.

Afinal, não foram os judeus os assassinos de Cristo? É sintomático o fato de a Igreja Católica, na época de Hitler, nunca ter condenado publicamente o Holocausto do povo hebreu. Infelizmente, Pio XII, ao assumir o papado em 1939, enviou uma carta ao Füher Adolf Hitler assegurando seu apoio à liderança nazista. Evidentemente, o Santo Padre não podia prever aonde iria levar a sanha sanguinária do ditador alemão. Isso é uma prova de que o Papa não é “infalível”, como reza o dogma católico!

2) Hiroshima e Nagasaki

São as duas cidades japonesas destruídas pela bomba atômica. Trata-se de outra forma de Holocausto, o nuclear, não menos violento daquele perpetrado contra os judeus. Em 6 de agosto de 1945, após a rendição da Alemanha nazista, a Força Aérea dos EUA, para vingar-se da derrota naval em Pearl Harbour e acabar com a Guerra que ainda continuava no Pacífico, lançou uma bomba atômica sobre a cidade de Hiroshima. Instantaneamente, os prédios desapareceram junto com a vegetação, os corpos de seres humanos e de animais se desintegraram e a cidade toda pegou fogo. Os efeitos da radiação ultravioleta se sentiram a kilômetros de distância e quem sobreviveu sofreu males terríveis. Não bastasse o horror de tamanha crueldade, três dias depois, os norte-americanos bombardearam outra cidade japonesa, Nagasaki, com mais um ataque nuclear. Nosso poeta Vinicius de Morais descreve tamanha covardia em versos emocionantes:

A ROSA DE HIROXIMA

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.


3- Arquipélago Gulag

O nome “Gulag” é um acrônimo, correspondente à sigla russa de “Diretório Geral dos Campos de Trabalho Corretivo”; e “arquipélago", metaforicamente, significa uma vasta “corrente de ilhas”, os campos de concentração desconhecidos pelo público. O Arquipélago Gulag é o título de um romance de Alexandre Soljenitsin (1918-2008), pelo qual ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 1970. Como oficial soviético, o autor lutou contra a invasão nazista. Mas, por ter-se manifestado contra os métodos liberticidas do ditador Josef Stalin, foi condenado aos trabalhos forçados, reservados a quem cometesse crimes de opinião (tinha publicada uma piada contra Stalin!). Com a morte do ditador, em 1953, ele é libertado e publica Um dia na vida de Ivan Dennisovich (1962), onde relata a triste vida cotidiana de um prisioneiro do Gulag. Esta obra é comparada a Recordações da casa dos mortos, de Dostoievski e lhe dá fama literária. Mas, com a volta da linha dura na época de Brejnev que sucedera a Kruchev, foi retomada a repressão na URSS e Soljenitsin foi expulso do país. Retornou à Rússia em 1978, acolhido como herói nacional.

Sua obra-prima, de 1.800 páginas, é uma narrativa sobre fatos que foram presenciados pelo autor, quando esteve preso num campo do Gulag. Nela, denuncia a insanidade do regime autoritário e ataca a cumplicidade de russos com os horrores do regime stalinista. Mas, em fim de vida, se torna crítico do regime russo do pós-comunismo, condenando a corrupção estatal. Não poupa também a crítica aos EUA e a OTAN por terem asfixiada a soberania da Rússia, pondo ressalvas à economia de mercado. Enfim, Soljenitsin colocou-se contra qualquer postura ditatorial ou imperialista, constituindo mais um momento de alerta da consciência humana na história da cultura ocidental.

1968: Maio despedaçado e filosofia hippie

Os horrores descritos acima, perpetrados a mando de líderes que governavam as grandes potências da Europa e da América, provocaram a crise dos ideais de justiça e de amor entre os povos. A juventude, idealista por natureza, se rebelou contra as autoridades constituídas. O ano de 1968 se tornou famoso por revoltas no mundo todo. O estopim da insurreição foi a morte de Martin Luther King, ativista contra a segregação racial nos EUA, Prêmio Nobel da Paz em 1964, assassinado no dia 4 de abril por um branco racista. Os estudantes dos campi universitários norte-americanos aproveitaram a rebelião dos negros para fazer violentos protestos contra a Guerra do Vietnã, que já durava havia quase um decênio. Mas o epicentro da revolta dos jovens estudantes foi a cidade de Paris. A agitação começou nas universidades e logo se espalhou pela cidade toda. No dia 10 de maio, fizeram barricadas e incendiaram viaturas policiais, no Quartier Latin. No dia 13, foi organizada uma greve geral. Charles de Gaulle, então Presidente, conseguiu contornar a situação, mas a insurreição do maio parisiense deixou marcas indeléveis, estendendo-se a vários países, tendo repercussões inclusive no Brasil. O ano de 1968 teve outros acontecimentos tristemente memoráveis: no dia 5 de junho, logo após sua vitória nas eleições primárias da Califórnia, foi morto Bob Kennedy, irmão de John F. Kennedy, assassinado cinco anos antes; em julho, a mídia divulga para o mundo as imagens da extrema miséria em que vive o povo de Biafra, em luta separatista contra a Nigéria; em agosto, acontece a repressão à Primavera de Praga, o massacre do povo checo, que ansiava por um socialismo mais humano, esmagado pelos tanques comunistas do Pacto de Varsóvia; em outubro, na Praça das três Culturas da Cidade do México, as forças da ordem massacram mais de 200 estudantes que protestavam pelas liberdades democráticas.

Alguns estudiosos vêem Maio de 68 apenas como uma revolta estudantil, outros como uma revolução política, outros como uma reviravolta cultural. Na verdade, foi uma tentativa de uma radical transformação antropológica, que deve ser conectada com o surgimento do movimento hippie, visando uma nova visão do mundo, uma nova concepção do homem e da sociedade. Tratava-se da difusão de idéias, hoje normalmente aceitas, mas, naquela época, bem revolucionárias: liberdades democráticas, direitos das minorias, igualdade entre homens e mulheres, brancos e pretos, heterossexuais e gays.

O termo hippie deriva do inglês hipster, relacionado com a cultura americana negra dos “beatniks”. John Lennon, que foi o principal porta-voz pop do movimento hippie, criou o nome da sua famosa banda "The Beatles" a partir da chamada “Geração Beat”. Na década de 60, os hippies dos EUA começaram um movimento considerado “contracultura”, contestando qualquer tipo de guerra (especialmente a do Vietnã) ou de violência, qualquer forma de autoritarismo, nacionalismo ou racismo. Adeptos de religiões orientais contemplativas (Hinduísmo e Budismo) ou nativas norte-americanas, viviam em comunidades ou como nômades, no contato direto com a natureza, praticando um socialismo anarquista. O movimento hippie surgiu como contestação dos valores tradicionais da classe média americana, sustentados pelo sistema econômico do capitalismo totalitarista e consumista.

Os hippies passaram a negar a legitimidade do governo, do militarismo, dos monopólios da indústria e do comércio. Recusaram a massificação em nome da afirmação da individualidade, não seguindo moda alguma, vestindo cada qual a seu modo, de forma extravagante. Algumas expressões da filosofia de vida hippie se tornaram famosas: “Façam amor, não façam a guerra”; “Façam sexo, não façam crianças”; “Faça o que você quiser, desde que não faça mal a ninguém”; “Sua liberdade termina onde começa a liberdade do outro”; “é proibido proibir”.

E aqui vai a pergunta: por que uma filosofia de vida tão verdadeira não teve sucesso? Minha resposta: porque faltou acrescentar mais uma palavrinha ao binômio “Paz e Amor”. Faltou a palavra “Trabalho”: os hippies, em lugar de produzirem bens para a sociedade, passavam a maioria do tempo num “dolce far niente”, consumindo drogas. De forma semelhante aos religiosos que vivem apenas de contemplação e de rezas, eles não percebem a contradição e o lado egoísta de sua escolha: dependem daquilo que desprezam, pois se alimentam dos bens produzidos pelas pessoas que trabalham. Se viver como homens é viver na companhia de outros homens, isto implica num intercãmbio de atividades úteis e na limitação da liberdade individual.

11 de setembro de 2001: a violência gera a violência

Os antigos romanos diziam vis vim roborit (uma violência provoca outra). O brutal e absurdo atentado suicida contra as duas torres gêmeas do World Trade Center de Nova York e outros alvos nos EUA, acontecido no fatídico 11 de setembro de 2001, só pode ser consequência de um ódio incomensurável, fruto de uma vingança milimetricamente premeditada. Além das espantosas perdas humanas (morreram 3234 pessoas) e materias (os dois edifícios de 110 andares, 4 estações do metrô, dezenas de construções nos arredores, os 4 aviões sequestrados e destroçados) é preciso considerar o efeito psicológico sobre o povo americano, pela primeira vez atacado por forças inimigas no coração da sua pátria.

Conforme foi posteriormente apurado pela Inteligência americana, o motivo dos ataques era o cumprimento de uma intenção declarada da Al-Qaeda (rede terrorista), expressa na fatwa (uma ordem emitida por um representante da lei islâmica) de 1998, emanada por Osama bin Laden. A fatwa aponta os três pecados cometidos pelos Estados Unidos, pelo quais os norte-americanos deviam ser punidos: a) apoio miltar a Israel; b) ocupação da península arábica; c) agressão contra o povo do Iraque. Para se vingar desta vingança, em março de 2003, o Presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, apoiado por alguns países europeus, mas sem o consentimento da ONU, invade o Iraque, a pretexto de encontrar armas de destruição em massa. Não encontrou armamento algum, mas a guerra no Iraque continua, dando motivo para outros ataques terroristas no mundo inteiro.