Peregrinaçam/LXII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Paſſando aſsi toda aquella noite nùs & deſcalços, & eſcalaurados, & quaſi esbofados do grande trabalho que tinhamos leuado, prouue a noſſo Senhor que como a menham começou a eſclarecer, o vento foy ſendo algũ tanto menos, com que o junco ficori mais quieto, ainda que ja eſtaua aſſentado ſobre a ponta da coroa do baixo, & com treze palmos de agoa dentro, & os homẽs todos eſtauão pegados em cordas da banda de fora, porque os mares grandes q̃ quebrauão encima no coſtado os não afogaſſem, ou lançaſſem ſobre os penedos, como ja tinhão feito a dez ou doze que ſe não preuiniraõ diſto, & como foy o dia bem claro, quiz noſſo Senhor que nos enxergou o junco de Mem Taborda & Antonio Antiquez, que toda a noite tinhão pairado a aruore ſeca com grandes jangadas de madeyra por popa à Charachina que os ſeus officiaes lhe inuentaraõ para poderẽ ſuſtentar milhor o payro, & como ouue viſta de nòs nos veyo logo demandar, & em chegando a nò̃s nos arremeſſaraõ muyta ſoma de paos aboyados em cordas, paraque nos pegaſſemos nelles, o que nos logo fizemos, & niſto ſe gaſtou quaſi hũa hora com aſſaz de trabalho de todos, pelo deſmancho & deſordenada cubiça que cada hũ tinha de ſer o primeyro que ſe ſaluaſſe, o qual foy cauſa de ſe afogarẽ vinte & duas peſſoas, de que os cinco foraõ Portugueſes, que Antonio de Faria mais ſentio que toda a perda do junco & da fazenda, inda que não foy tão pequena que não paſſaſſe de cem mil taeis fó em fazenda de prata, porque a mayor parte das preſas que ſe tomaraõ, & do que ſe tomou ao Coja Acem ſe metera naquelle junco em que andaua Antonio de Faria, por ſer mayor & milhor, & em que parecia que corria menos perigo que nas outras embarcaçoẽs que não eraõ taõ boas nem taõ ſeguras.

Deſpois que com aſſaz de trabalho & riſco de noſſas vidas nos recolhemos ao junco de Mem Taborda, ſe gaſtou eſte dia todo em prantos & lamentaçoẽs por eſte triſte & deſauẽturado ſocceſſo, ſem ſe ſaber parte da mais companhia, mas prouue a noſſo Senhor que ſobola tarde ouuemos viſta de duas vellas, que de hum bordo no outro fazião as voltas tão curtas, como que pairauão o tempo, por onde conhecemos que eraõ da noſſa armada, & por ſer quaſi noue naõ pareceo bem yr a ellas, por algũas razoẽs que para iſſo ſe deraõ, mas fazẽdolhe forol nos reſponderaõ logo a noſſo propoſito, & ſendo ja meyo quarto da aloa paſſado, chegaraõ a nós, & deſpois de fazerem ſuas ſaluas aſſaz triſtemente, preguntaraõ pelo Capitão mòr, & pela mais cõpanhia, a que entaõ ſe reſpondeo, que como foſſe menham lho dirião, & que ſe afaſtaſſem daly atè que o dia mais aclaraſſe, porq̃ andauão ainda os mares tão groſſos, que poderia acontecer algum deſaſtre. Tanto que a eſtrella da lua appareceo, & a menham começou a ſer clara, vieraõ dous Portugueſes do junco de Quiay Panjão, os quais vendo Antonio de Faria da maneyra que eſtaua metido no jũco de Mem Taborda, porque o ſeu ja era perdido, deſpois que ſouberaõ o ſucceſſo da ſua deſauentura, elles tãbem contarão do ſeu trabalho, que quaſi foy igual ao noſſo, em que diſſerão que hũa refega de vento lhe leuara tres homẽs ao mar, & os lançara tão longe como quaſi hum tiro de pedra, couſa certo nunca viſta nem ouuida. E tambem contaraõ da maneira que ſe perdera o junco pequeno e com cinquenta peſſoas, & as mais dellas, ou quaſi todas Chriſtãs, das quais ſete foraõ Portugueſes, em que entrara Nuno Preto Capitão delle, homem honrado & de grande eſpirito, como tinha bem moſtrado nas aduerſidades paſſadas, o qual Antonio de Faria ſentio muyto. Neſte tempo chegou tambem hũa das duas lanteaas de que atè então ſe não ſabia parte, & contou tambem de ſy aſſaz de trabalho, & certificou que a outra quebrara as amarras co tempo, & fora dar à coſta, & que á ſua viſta ſe fizera em pedaços na praya, & que de toda a gente ſe não ſaluaraõ mais q̃ ſós treze peſſoas, cinco Portugueſes, & oito moços Chriſtaõs, os quais a gente da terra leuara catiuos para hũ lugar que ſe chamaua Nouday; de maneyra que neſta deſauenturada tormenta ſe perderaõ dous juncos & hũa lorcha ou lanteaa, em que morreraõ paſſante de cem peſſoas, onde entraraõ onze Portugueſes, a fora os catiuos. E a perda de tudo aſsi fazenda, como prata, peças ricas, embarcaçoẽs, artilharia, armas, mantimentos, & muniçoẽs, foy aualiada em paſſante de duzentos mil cruzados, com q̃ o Capitaõ ̃& os ſoldados todos ficarão ſem terem de ſeu mais que o que tinhão veſtido. E eſtas pancadas tais tem eſta coſta da China mais que todas as das outras terras, pelo que ninguem pode nauegar ſeguro nella hũ ſó anno que lhe nã̃o aconteção deſaſtres

, ſe com as coujunçoẽs das lũas cheyas ſe não meter nas colheitas dos portos que tem muytos & muyto bõs, onde ſem nenhum receyo ſe pode entrar, porq̃ toda he limpa, tirãdo ſomente Lamau & Sumbor, que tem hũs baixos obra de meya legoa das barras da parte do Sul.