Tradução Brasileira da Bíblia/Números/XXIV

Wikisource, a biblioteca livre
< Tradução Brasileira da Bíblia‎ | Números
Ir para: navegação, pesquisa
Números - Capítulo XXIV
por Vários


  1. Vendo Balaão que era do agrado de Jeová, que abençoasse a Israel, não foi, como antes, ao encontro de agouros, mas voltou o rosto para o deserto.
  2. Levantando Balaão os olhos, viu ao Israel acampado nas suas tendas segundo as suas tribos; e veio sobre ele o espírito de Deus.
  3. Proferiu o seu discurso, e disse: Oráculo de Balaão, filho de Beor, Oráculo do homem que tinha os olhos fechados,
  4. Oráculo daquele que ouve as palavras de Deus, Que vê a visão do Todo-poderoso, Que cai, e tem os olhos abertos:
  5. Quão formosas são as tuas tendas, ó Jacó, As tuas habitações, ó Israel!
  6. Como vales que são bem extensos, Como jardins à beira dos rios, Como árvore de aloés que Jeová plantou, Como cedros junto às águas.
  7. Dos seus baldes correrão águas, E os seus descendentes estarão em muitas águas, O seu rei levantar-se-á acima de Agague, E o seu reino será exaltado.
  8. Deus que o tirou do Egito, É para ele como a glória do boi selvagem. Ele devorará as nações, seus adversários, E lhes quebrará os ossos, E os traspassará com as suas flechas.
  9. Agachou-se, deitou-se como leão, E como leoa; quem o despertará? Bendito aquele que te abençoar, E maldito o que te amaldiçoar.

  10. A ira de Balaque acendeu-se contra Balaão, e bateu com as mãos. Disse Balaque a Balaão: Chamei-te para amaldiçoares os meus inimigos, e eis que já três vezes os abençoaste.
  11. Agora foge para o teu lugar; pensei em encher-te de honras, mas eis que Jeová te privou das honras.
  12. Respondeu Balaão a Balaque: Não disse eu também aos teus mensageiros que me enviaste:
  13. Se Balaque me desse a sua casa cheia de prata e de ouro, não poderia ir além da ordem de Jeová para fazer de mim mesmo ou o bem ou o mal; o que disser Jeová, isso falarei?
  14. Agora eis que vou para o meu povo; vem, avisar-te-ei o que fará este povo ao teu povo nos últimos dias.

  15. Balaão proferiu o seu discurso, e disse: Oráculo de Balaão, filho de Beor, Oráculo do homem que tinha os olhos fechados,
  16. Oráculo daquele que ouve as palavras de Deus, Que conhece o conhecimento do Altíssimo, Que vê a visão do Todo-poderoso, Que cai, e tem os olhos abertos:
  17. Eu o vejo, porém não agora; Eu o contemplo, porém não de perto. De Jacó nascerá uma estrela, E de Israel se levantará um cetro, Que ferirá as fontes de Moabe, E a cabeça de todos os filhos de orgulho.
  18. Edom será uma possessão, Seir, seus inimigos, também será uma possessão, Enquanto Israel faz proezas.
  19. De Jacó um dominará, Da cidade serão destruídos os sobreviventes.
  20. Balaão a Amaleque, proferiu o seu discurso e disse: Amaleque era a primeira das nações, Mas o seu fim será para destruição.
  21. Viu os queneus, proferiu o seu discurso, e disse: Durável é a tua habitação, E posto entre as penhas o teu ninho.
  22. Caim há de ser destruído; Até quando? Assur te levará cativo.
  23. Proferiu ainda o seu discurso e disse: Ai, quem viverá, quando Deus fizer isto?
  24. naus virão das costas de Quitim E eles afligirão a Assur, Também afligirão a Héber, Que também será para destruição.
  25. Tendo-se Balaão levantado, foi-se e voltou para o seu lugar; e também Balaque foi o seu caminho.