Dicionário de Cultura Básica/Vulcano

Wikisource, a biblioteca livre
< Dicionário de Cultura Básica
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dicionário de Cultura Básica por Salvatore D’ Onofrio
Vulcano


VULCANO (Hefestos, em grego, deus do fogo)

Os antigos gregos, de uma fantasia fertilíssima, para explicar a origem do raio que aparecia nas noites de tempestade, inventaram uma divindade cujo andar claudicante explicasse o movimento tortuoso do fenômeno natural. A figura do mais feio dos deuses, disforme e coxo, está envolta por várias lendas. Uma o faz coxo por nascimento: a mãe Juno, envergonhada pela feiúra do recém-nascido, o atirou do Olimpo. Hefestos, para vingar-se, construiu um engenhoso trono de ouro, que prendia para sempre quem nele se sentasse, e ofereceu-o à sua mãe, que ficou aprisionada. A libertação de Juno foi condicionada ao casamento de Vulcano com Vênus. Outra lenda narra que o deus nasceu de Junoo por partenogênese: deste modo, a deusa quis vingar-se das contínuas traições do marido. Hefestos, tomando sempre o partido da mãe nas brigas conjugais, irritou Júpiter que o atirou do Olimpo. Ao cair na ilha de Lemnos, o deus ficou disforme. Segundo esta versão, Vênus teria sido obrigada a casar-se com o deus horrendo por ter recusado o amor de Júpiter. Vulcano é o deus do fogo e das artes dos metais, sendo considerado o obreiro divino e venerado como protetor dos artesãos. A ele se atribuem obras magníficas, como os palácios dos deuses, as flechas de Apolo, a couraça de Hércules, os escudos de Aquiles e de Enéias (→ Eneida). É representado como velho, feio e barbudo, com martelo e tenazes nas mãos, sendo o símbolo da engenhosidade humana, que se serve do fogo como meio para o desenvolvimento da ciência e da arte. Na língua portuguesa, o nome Vulcão, o adjetivo vulcânico e o verbo vulcanizar estão relacionados com esta divindade, designando a força do material incandescente que explode do fundo da terra e as atividades humanas com a forja. Os vulcões mais famosos, na cultura ocidental, são o Etna na ilha da Sicília e o Vesúvio no golfo de Nápoles, cuja erupção, em 79 d.C., causou a destruição da rica cidade de Pompéia, coberta repentinamente por uma violenta chuva de pedras e cinzas. A cidade de Pompéia antiga, descoberta por várias escavações, se tornou um dos centros arqueológicos mais visitados. As explosões vulcânicas estimularam a produção de obras de artes, especialmente de romances e filmes. Citamos algumas películas espetaculares: Krakatoa, Inferno de Java, Stromboli, Inferno de Dante. É interessante notar que as regiões vulcânicas, apesar de seu alto risco, são zonas que atraem pela grande fertilidade das terras banhadas pelo magma incandescente.