Em Tradução:Cândido/Capítulo 1

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Sobre como Cândido foi trazido a um magnífico castelo e como de lá foi expulso[editar]

Candide-L'optimisme-Ch. 01.png

Havia na região da Vestfália, no castelo do Barão Thunder-ten-tronckh, um rapaz a quem a natureza dotara das maneiras mais singelas. Seu semblante denunciava a sua alma. Ele não só tinha o julgamento perfeito, como também a mente mais pura, acho que, por esta razão o seu nome era Cândido. Os antigos empregados do castelo suspeitavam que ele era filho da irmã do Barão com um cavalheiro bom e honesto da província, a quem aquela jovem recusou-se a casar, porque ele não conseguiu provar que 71 quartos restantes da árvore genealógica de sua família que haviam sido perdidos pelos estragos do tempo.

O Barão era um dos mais poderosos senhores de Vestfália, seu castelo são só tinha uma porta como também janelas. Seu grande salão era adornado com tapeçaria. Todos os cães de sua matilha eram de grande necessidade, seus cavalariços eram seus caçadores, o vigário da aldeia era o seu grão-esmolador. Chamavam-lhe todos de "Meu senhor" e todos riam se contava anedotas.

A Baronesa, que pesava cerca de 157 kg, atraia grande consideração e fazia as honras da casa com uma dignidade que a tornava ainda mais respeitável. Sua filha Cunegundes, que na época tinha por volta de 17 anos, era corada, fresca, robusta e atraente. O filho do Barão parecia em todos os aspectos digno do pai que o gerara. O tutor Pangloss[1] era o oráculo da casa e o pequeno Cândido ouvia suas lições com toda a fé o bem de sua idade e caráter.

Pangloss ensinava metafísico-teólogo-cosmolonigologia. Ele provou admiravelmente que não há efeito sem causa e que no melhor dos mundos possíveis[2], o castelo do Senhor Barão era o mais belo de todos; e a Minha Senhora a melhor de todas as baronesas existentes.

Há evidências - dizia ele - de que as coisas não poderiam ser de outra forma, pois tudo o que foi criado tem um objetivo, tudo o que existe necessariamente tem o seu melhor objetivo. Observe, por exemplo, que os narizes foram feitos para usar óculos por isso usamos óculos. As pernas visivelmente foram projetadas para vestir calças, então temos calças. As pedras foram feitas para serem lavradas e usadas para construir castelos, por isso o Meu Senhor tem um belo castelo, o maior barão da província deve ter a melhor propriedade; os porcos foram feitos para serem comidos, então nós comemos carne de porco o ano todo: conseqüentemente, aqueles que argumentam que tudo está certo, não se expressam corretamente, eles deveriam dizer que tudo está melhor.

Cândido ouvia com atenção e acreditava implicitamente, pois ele achava a senhorita Cunegundes extremamente bela, embora ele nunca tivesse a coragem de dizer isso a ela. Ele concluiu que, depois da felicidade de ser o Barão de Thunder-ten-tronckh, o segundo grau de felicidade consistia em ser a senhorita Cunegundes, a terceira em vê-la todos os dias e a quarta, ouvir o mestre Pangloss, o maior filósofo de toda a província e consequentemente, de toda a terra.

Um dia, enquanto Cunegundes caminhava no bosque, ao qual chamavam de parque, perto do castelo, ela viu entre os arbustos, o Dr. Pangloss dando uma lição de física experimental à empregada de sua mãe, uma morena muito bonita e dócil. Como Cunegundes tinha uma grande disposição para as ciências, ela observou com a máxima atenção os experimentos que foram repetidos diante de seus olhos, entendeu perfeitamente a força do raciocínio do médico sobre causas e efeitos e então regressou toda agitada, muito pensativa, ansiosa pelo desejo aprender, imaginando que ela poderia ser uma razão o bastante para o jovem Cândido, e ele para ela.

Ao voltar para o castelo, ela reencontrou Cândido e fica corada, assim como Cândido. Cumprimentou-o num tom lisonjeiro, e Cândido retribuiu a saudação sem saber o que dizia. No dia seguinte, após o jantar, ao se levantarem da mesa, Cunegundes e Cândido encontraram-se às escondidas; Cunegundes deixou cair o lenço, Cândido o apanhou, tomou inocentemente a mão da jovem e inocentemente a beijou, com graça, ternura e vivacidade; seus lábios se encontraram, seus olhos brilhavam, seus joelhos tremeram, suas mãos se desviaram. O Barão Thunder-ten-tronckh que por acaso passava por ali, e vendo tudo o que estava acontecendo, sem hesitar, saudou Cândido com alguns pontapés inesquecíveis, colocando-o para fora do castelo. Cunegundes desmaiou e quando voltou a si, foi fustigada pela baronesa, e tudo virou consternação no mais magnífico e mais aprazível de todos os castelos possíveis.

Notas do tradutor[editar]

  1. O nome Pangloss é uma invenção que consiste de duas palavras gregas, pan, "todos" e glos, "linguagem"
  2. Em francês: le meilleur des mondes possibles é uma frase obtida da teoria de Gottfried Leibniz, sua afirmação de que o mundo real é o melhor de todos os mundos possíveis é o argumento central de sua teodiceia, ou a sua tentativa de resolver o problema do mal.