Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/525

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


172. O thesouro escondido. — Compare-se com a tradição popular, conto n.º 88.


173. Erramos. (E Ramos?) — Encontrámol-o tambem na tradição insulana, e no Porto.


174. O pagem da Rainha. — Acha-se no Patrañuelo de Timoneda, n.º XVII. (Ed. Ribadaneyra, p. 158.) Loiseleur des Longchamps, no Essai sur les Fables indiennes, p. 134, not., cita um dos Contos dos Sete Vizires, e o fabliau D'un roi qui voulut faire brûler les fils de son sénéchal. (Legrand d'Aussy, Fab., t. v, p. 56.) Esta mesma tradição acha-se na redacção ingleza das Gesta Romanorum, cap. XCVIII; nas Cento Novelle antiche (Libro di Novelle, LXVIII); nas Novellas de Geraldo Cynthio, 2.ª cent., 8.ª dez., 6.ª novella; a lenda de Santa Isabel, em Portugal, no Baculo Pastoral, de Saraiva de Sousa, já se achava em verso por Affonso o Sabio, avô do rei D. Diniz, contada como um milagre da Virgem. A sua proveniencia oriental acha-se no Katha sarit sagara, collecção de Somadeva Bhatta, do seculo XII. (Trad. Brockaus, vol. II, p. 62.) Œsterley, na sua edição das Gesta Romanorum, cita na nota ao numero 283 os paradigmas d'esta lenda, tambem popular na Alsacia com o titulo de Fridolin, sobre que Schiller fez a Ballada Gang nach dem Eisenkammer. Vid. tambem o estudo d'Ancona, na Romania, t. III, p. 187. Repete-se ainda na tradição popular de Coimbra.


175. A ingratidão dos filhos. O caixão de pedras. — Acha-se nos fabliaux da Edade media: Le bourgeois d'Abbeville por Bernier (Recueil de Fabliaux, p. 166); o Conto do Sapo, no Doctrinal de Sapience, fl. 21, v. A herança de pedras acha-se no testamento de Fauchet, em que os logrados são os frades; ha outras versões nas Histoires plaisantes et ingenieuses, p. 146; e em Piron, Fils ingrats, comedia. Esta historia affecta outras fórmas,