Peregrinaçam/XII

Wikisource, a biblioteca livre
< Peregrinaçam
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Peregrinaçam por Fernão Mendes Pinto
CAP. XII. Do que paſſou neste tempo atê Pero de Faria chegar a Malaca.


O

Capiraõ mór Gonçallo Vaz Coutinho chegou ao outro dia com a ſua armada a Goa, onde foy bem recebido do Viſorrey, & lhe deu conta de tudo o que lhe ſocedera na viagem, & do que deixara concertado com a Raynha de Onor, aſsi de queimar a Galè, como de lançar os Turcos fora do reyno, de que o Viſorrey então ſe ouue por ſatisfeito. Paſſados vinte & tres dias depois q̃ chegamos a eſta cidade, em q̃ eu acabey de conualecer de duas feridas que trouxe da briga da tranqueyra, vendome ſem nenhum remedio de vida, me fuy, por conq̃elho de hum padre meu amigo, offerecer a hum fidalgo honrado por nome Pero de Faria, que então eſtaua prouido de Capitaõ de Malaca, & que neſte tempo daua meſa a todo o homem que a queria aceitar delle, o qual aceitou o meu offerecimento, & me prometeo que ao diante na ſua capitania, me faria toda a amizade que pudeſſe, pois o eu queria acompanhar naquella jornada em que hia co Viſorrey. Neſte tempo ſe fazia preſtes o Viſorrey

dom Garcia de Noronha para yr ſocorrer a fortaleza de Diu, da qual tinha recado que eſtaua em grande aperto, pelo cerco que lhe tinhão poſto os Turcos, para o qual ajũtou então hũa aſſaz groſſa & fermola armada; em que aueria duzentas & vinte & cinco vellas, de que ſós as oitenta & tres erão de alto bordo entre naos & Galeoẽs & Carauellas, & as mais eraõ Galès, & bargantins & fuſtas, em que ſe affirmaua que irião dez mil homẽs limpos, & trinta mil de chuſma, & do ſeruiço da marcação, & eſcrauaria Chriſtam. Deſta poderoſa armada era o Baxâ auiſado todos os dias por cartas do Hidalcão, & do Çamorim Rey de Calecù, & pelo Inezamaluco, & pelo Acedecão, & por outros muytos Principes Gentios & Mouros. que aquy neſta cidade trazião ſuas eſpias ſecretas. E ſendo o tempo chegado, & a armada ja de todo preſtes &aparelhada de todo o neceſſario, o Viſorrey ſe embarcou nella hum Sabado catorze dias do mes de Nouembro do anno de i538. onde eſteue embarcado cinco dias eſperando que ſe acabaſſe de recolher nella a gente q̃ era muyta, no fim dos quais lhe chegou hum catur de Diu com cartas de Antonio da Sylueira capitão da fortaleza, em que lhe daua nouas que o cerco era ja leuantado, & os Turcos ydos, o que cauſou em toda a gente da armada hũa notauel triſteza, pelo deſejo que todos tinhão de ſe verem com eſtes inimigos da noſſa ſanta Fè. E detendoſe inda o Viſorrey aqui mais outros cinco dias prouendo algũas couſas neceſſarias ao eſtado da India, deſpidio daly donde eſtaua ſurto duas naos para o reyno, das quais eraõ Capitaẽs Martim Afonſo de Souſa, & Vicente Pegado, & mandou nellas o Doutor Fernão Rodriguez de Caſtelbrãco Veador da fazenda, para lhes ſazer em Cochim a carga da pimenta, & auiar o Gouernador paſſado Nuno da Cunha; que ja lá eſtaua auia dias na nao ſanta Cruz, mal deſpoſto, & algum tanto deſcontente por ſe lhe não ter o reſpeito que elle eſperaua, & que tinha para ſi que merecia por ſeus ſeruiços. Deſpois de iſto aſsi ordenado, ſe partio o Viſorrey deſta barra de Goa hũa quinta feyra pela menham, ſeys dias do mès de Dezembro,& ao quarto dia de ſua viagem ſurgio em Chaul, onde ſe deteue tres dias aſſentando algũas couſas co Inezemaluco importantes ao bem & ſegurança da fortaleza, & prouendo algũas vellas das que vinhão na armada de algũas couſas de que vinhaõ faltas, principalmente de mantimentos, & de chuſma, & partindo daquy para Diu, ſendo tanto auante como os picos de Daanuu, na traueſſa de meyo golfaõ lhe deu hum temporal taõ rijo, que lhe diuidio a armada em muytas partes, de que ſe perderaõ algũas vellas, em que entrou a Galè baſtarda na barra de Dabul, de que hia por Capitão dom Aluaro de Noronha filho do Viſorrey, & Capitão mòr do mar,