Bíblia Aberta/João/XVIII

Wikisource, a biblioteca livre
< Bíblia Aberta‎ | João
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João - Capítulo XVIII
por Vários


Esta página também faz parte do Projeto Bíblia Aberta.

Jesus é preso[editar]

1 Depois de falar isto[1], Jesus saiu com seus discípulos para o outro lado do riacho[2] de Cedrom[3], onde havia um jardim[4], no qual ele e seus discípulos entraram. 2 E Judas, que estava lhe traindo, também conhecia o lugar, porque muitas vezes Jesus se reuniu ali com seus discípulos. 3 Então Judas se encontrou com a tropa[5] e alguns dos oficiais sob ordens dos chefes dos sacerdotes e dos fariseus, e chegaram a este lugar com lanternas, tochas e armas. 4 Então Jesus, sabendo tudo o que ia acontecer com ele[6], foi até eles[7], e lhes perguntou:

- Quem vocês estão procurando?

5 Eles responderam:

- Jesus, de Nazaré.[8]

Jesus lhes disse:

- Sou eu.

(Judas, o traidor, estava com eles). 6 No momento em que Jesus lhes disse "Sou eu", eles recuaram e caíram no chão. 7 Então Jesus lhes perguntou novamente:

- Quem vocês estão procurando?

Eles responderam:

- Jesus, de Nazaré.[8]

8 Jesus lhes respondeu:

- Eu já lhes disse que sou eu; se é a mim que vocês procuram, então deixem esses outros[9] irem embora.

9 (Isto aconteceu[10] para que se cumprisse aquilo que ele tinha dito: "Eu não perdi nenhum daqueles que tu me deste").[11] 10 Então Simão Pedro puxou a espada que tinha, atingiu um servo[12] do sacerdote principal[13], e cortou a orelha direita dele; e o nome do servo[12] era Malco. 11 Então Jesus disse a Pedro:

- Guarda tua espada na bainha! Não beberei eu do copo[14] que o Pai me deu?

Jesus é levado a Anás e Caifás. Pedro nega a Jesus[editar]

12 Então a tropa[5] com seu comandante, e os oficiais dos judeus prenderam a Jesus, o acorrentaram, 13 e o levaram primeiro para Anás, porque era sogro de Caifás, o principal sacerdote naquele ano. 14 (Era Caifás quem tinha aconselhado aos chefes dos judeus[15] de que era bom[16] que um homem morresse pelo povo[17]). 15 Simão Pedro e outro discípulo seguiram a Jesus. Esse discípulo era conhecido do sacerdote principal[13], e por isso pôde entrar no pátio dele, para onde Jesus tinha sido levado.[18]. 16 Mas Pedro ficou de fora, perto da porta. Então o outro discípulo, que era conhecido do sacerdote principal, saiu e falou com a porteira, e levou Pedro para dentro. 17 Então a jovem serva[19] que vigiava a porta disse a Pedro:

- Você também não é um dos discípulos deste homem?

Ele respondeu:

- Não sou.

18 Os servos e os oficiais estavam perto de uma fogueira que fizeram por causa do frio para se aquecerem. Pedro também estava se aquecendo com eles. 19 Então o sacerdote principal [13] perguntou a Jesus seus discípulos e seus ensinamentos.[20] 20 Jesus lhe respondeu:

- Eu falei abertamente para o mundo; eu sempre ensinei nas sinagogas e no Templo, onde todos os judeus se reúnem[21]. Nada falei secretamente. 21 Por que você pergunta a mim? Pergunta aos que me ouviram o que eu lhes contei; eles sabem o que eu disse.

22 Quando ele disse isto, um dos oficiais que estava perto lhe deu um tapa no rosto de Jesus, e disse:

- É assim que tu respondes ao sacerdote principal? [13]

23 Jesus lhe respondeu:

- Se eu falei mal, diga onde está a minha maldade; mas se falei bem, por que você me fere?

24 Então Anás o enviou acorrentado[22] para Caifás, o sacerdote principal.[13] 25 E Simão Pedro continuava se aquecendo. Então lhe perguntaram:

- Você também não é um dos discípulos dele?

Ele negou, dizendo:

- Não sou.

26 Um dos servos[12] do sacerdote principal[13], parente do qual Pedro tinha cortado a orelha, perguntou:

- Eu não vi você no jardim com ele?

27 Então Pedro negou novamente, e naquele mesmo momento o galo cantou.

Jesus é levado a Pilatos[editar]

28 Então levaram a Jesus da casa[23] de Caifás para o palácio do governador Pilatos[24]. Era de manhã cedo. E eles não entraram no palácio do governador para não se contaminarem, e assim pudessem comer a páscoa. 29 Pilatos saiu até eles e perguntou:

- Que acusação vocês trazem contra este homem?

30 Eles lhe responderam:

- Se ele não fosse criminoso[25], nós não o entregaríamos a você.

31 Então Pilatos lhes disse:

- Tomem-no vocês mesmos, e julguem coforme sua própria Lei.

Os chefes[15] dos judeus lhe disseram:

- Não nos é permitido matar a ninguém.

32 (Isto aconteceu[10] para que se cumprisse o que Jesus tinha dito, sobre como ele iria morrer[26]). 33 Pilatos voltou a entrar no palácio[27], chamou a Jesus, e disse a ele:

- Tu és o Rei dos Judeus?

34 Jesus respondeu:

- Você diz isso por si mesmo, ou foram outros que lhe falaram de mim?

35 Pilatos respondeu:

- Por acaso eu sou judeu? A tua própria nação e os chefes dos sacerdotes te entregaram a mim. O que é que tu fizeste?

36 Jesus respondeu:

- Meu reino não é deste mundo. Se meu reino fosse deste mundo, os meus súditos[28] lutariam para que eu não fosse entregue aos chefes[15] dos judeus. Mas agora o meu reino não é daqui.

37 Então Pilatos lhe perguntou:

- Então tu és rei?

Jesus respondeu:

- Você diz que eu sou rei. Por isso que eu nasci, e por isso que eu vim ao mundo, para dar testemunho da verdade. Todo aquele que pertence à verdade[29] ouve[30] a minha voz.

38 Pilatos lhe perguntou:

- O que é a verdade?

Depois de dizer isto, ele voltou a sair até os chefes[15] dos judeus, e lhes disse:

- Eu acho nele crime nenhum. 39 Porém há um costume entre vocês, que eu dê para vocês a liberdade a um prisioneiro[31] durante a páscoa. Vocês querem que eu lhes solte o Rei dos judeus?

40 Eles[32] falaram novamente, em alta voz:

- Ele não! Mas sim Barrabás!

(Barrabás era um assaltante).

Notas[editar]

  1. Literalmente Dizendo isto,
  2. Mais precisamente um riacho temporário, onde só corre água em períodos chuvosos
  3. Ou Quédron
  4. Ou pomar
  5. 5,0 5,1 Literalmente uma coorte romana, 600 homens.
  6. acontecer com ele: Literalmente vir sobre ele
  7. até eles foi adicionado para dar clareza
  8. 8,0 8,1 Literalmente Jesus, o nazareno
  9. outros foi adicionado para dar clareza
  10. 10,0 10,1 Isto aconteceu foi adicionado para dar clareza
  11. João 6:39 e 17:12
  12. 12,0 12,1 12,2 Ou escravo
  13. 13,0 13,1 13,2 13,3 13,4 13,5 Ou sumo sacerdote
  14. Ou cálice
  15. 15,0 15,1 15,2 15,3 chefes dos está implícito no texto original
  16. Ou conveniente, ou vantajoso
  17. João 11:49
  18. Literalmente E entrou com Jesus no pátio da casa do sacerdote principal
  19. Ou escrava
  20. Literalmente no singular (ensinamento). Ou doutrina
  21. Robinson-Pierpont e Textus Receptus contêm onde os judeus sempre se reúnem
  22. Ou atado
  23. da casa foi adicionado para dar clareza
  24. palácio de Pilatos: Literalmente pretório
  25. Literalmente malfeitor
  26. Literalmente significando que morte ele iria morrer
  27. Literalmente pretório
  28. Ou subordinados
  29. Literalmente Todo aquele que é da verdade
  30. ouve no sentido de dar ouvidos
  31. prisioneiro foi adicionado para dar clareza
  32. Robinson-Pierpont e Textus Receptus contêm Todos eles