O mar jaz. Gemem em segredo os ventos

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O mar jaz. Gemem em segredo os ventos
   Em Eolo cativos,
Apenas com as pontas do tridente
   Franze as águas Neptuno,
E a praia é alva e cheia de pequenos
   Brilhos sob o sol claro.
Eu quisera, Neera, que o momento,
   Que ora vemos, tivesse
O sentido preciso de uma frase
   Visível nalgum livro.
Assim verias que certeza a minha
   Quando sem te olhar digo
Que as coisas são o diálogo que os deuses
   Brincam tendo connosco.
Se esta breve ciência te coubesse,
   Nunca mais julgarias
Ou solene ou ligeira a clara vida,
   Mas nem leve nem grave,
Nem falsa ou certa, mas assim, divina
   E plácida, e mais nada.
 
6-10-1914