Olho os campos, Neera (variante C)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(Olho os campos, Neera)
por Ricardo Reis
Variante em manuscrito de texto publicado por Fernando Pessoa na primeira edição da revista Athena, outubro de 1924, p. 19-24.
HSArchive.svg O Wikisource possui mais edições deste texto


     Olho os campos, Neera
     Verdes campos, e sinto
     Como virá um dia
     Em que não mais os veja.
 
     Par de árvores cobre
     O céu aqui sem nuvens
E faz correr mais triste
A viva e alegre linfa.
 
Mas por um só momento
Fugaz e passageiro
Esta ideia eu emprego
Para o seu uso triste.
 
Cedo me volve a calma
Com que me faço o espelho
Do céu imperturbado
E da fonte insciente.
 
Deixa o futuro, — porque
Não chegou, não é nada;
Só a hora presente
Tem a realidade.
 
Vive a imperfeita hora
Perfeitissimamente
E sem nada esperares
Dos homens, nem dos deuses