Dicionário de Cultura Básica/Shaw

Wikisource, a biblioteca livre
< Dicionário de Cultura Básica
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dicionário de Cultura Básica por Salvatore D’ Onofrio
Shaw, George Bernard


SHAW (escritor da Irlanda: mito de Pigmalião)

Meu jeito de brincar é dizer a verdade.
É a brincadeira mais engraçada do mundo

O comediógrafo irlandês George Bernard Shaw (1856–1950), admirou e defendeu o teatro de tese de Ibsen, especialmente através do ensaio "A quintessência do ibsenismo", contra os dramalhões da época. A sua dramaturgia busca constantemente a representação da verdade existencial, oculta pela hipocrisia da vida burguesa. Suas peças são um libelo contra a origem imoral da riqueza (A profissão da senhora Warren), a incoerência da Igreja Católica que santifica depois da morte quem perseguira em vida (Santa Joana), o militarismo (O homem e seu destino), os mitos criados sobre eventos históricos (César e Cleópatra), a falsidade da vida matrimonial (Os malcasados). Seu drama mais famoso é Pigmalião, mais tarde adaptado a musical com o título My fair Lady. Pigmalião é o nome de duas figuras mitológicas, que se encontram descritas em vários textos da cultura greco-romana: 1) Pigmalião, rei de Tiro, que matou Siqueu, esposo da irmã Dido, para apoderar-se das riquezas do trono de Cartago: esta lenda encontra-se artisticamente elaborada por Virgílio no seu poema épico Eneida; 2) Pigmalião, de que fala especialmente Ovídio em suas Metamorfoses, foi um escultor da ilha de Chipre, solteirão misógino. Para compensar a falta de uma companheira, fez uma estátua de uma jovem, belíssima, em mármore. Por ter conseguido realizar uma perfeita representação da beleza feminina, o artista acabou apaixonando-se por ela, enfeitando a estátua com vestidos riquíssimos, jóias, flores. Enfim, louco de amor, pediu a Vênus que lhe fizesse conhecer uma jovem tão bonita como a sua obra de arte. Afrodite, então, deu vida à virgem de mármore e Pigmalião casou-se com ela.

A peça Pigmalião, de Shaw, está centrada sobre esta segunda figura mitológica. A lenda do escultor cipriota que se apaixona pela própria estátua, dando-lhe vida pelo milagre do amor, especialmente pelo seu aspecto simbólico, foi motivo de outras obras literárias, de melodramas, de balés, de líricas musicais e de vários objetos de arte plástica. O escritor irlandês, convencido de que os males sociais têm sua raiz no sistema burguês de vida, altamente egoísta, sonha com a instauração de uma sociedade socialista. Pela sua inteligência crítica e seu teatro de idéias, Bernard Shaw até hoje continua sendo fonte de discussão sobre os problemas fundamentais do homem.