Quatro regras de diplomacia

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quatro regras de diplomacia
por Frederico Francisco de Figanière
Transcrito segundo a grafia original.

QUATRO REGRAS

DE

DIPLOMACIA

PELO

Visconde de Figanière

enviado extraordinario e ministro plenipotenciario
que foi de portugal em s. petersburgo,
nos annos de 1870 a 1876

Nullum læsi, nullius nomen mea scriptura
designatum est.


S. Hieron. ad Nepotianum (Epist.,
de vita cleric.)




Decorative text divider 5.svg


LISBOA

LIVRARIA FERREIRA
123, RUA AUREA, 131

1881

INDICE




Pag.
Dedicatoria 
 5
Carta a S. Ex.ª o Sr. Duque d’Avila e de Bolama 
 7
Discurso Preliminar 
 9
I Agradar 
 19
II Ser leal 
 41
III Antepôr a palavra á penna 
 59
IV Ter concisão e ordem no redigir 
 69


APPENDICE


Observações sobre as principais especies de escriptos diplomaticos, com uma collecção de modelos


§1 Advertencia 
 83


Modelos:


N.° 1 Instrucções ao Marquez de Marialva (1807) 
 87
N.° 2 Instrucções secretissimas, ao mesmo (1807) 
 91
N.° 3 Instrucções ao Marquez de Palmella (1832) 
 93

Pag.
§ II Correspondencia com o Governo patrio.


Officios, e as suas diversas fórmas 
 95


Modelos; fórma descriptiva:


N.º 4 (§§ 3. e 4), do Marquez de Palmella (Londres, 9 jan. 1827) 
 99


Fórma narrativa ou historica:


N.º 5 (§§ 1 e 2), de Antonio de Araujo de Azevedo (Paris, 27
out. 1797 
 101
N.º 6, do D. Diogo de Noronha (Paris, 28 set. 1798) 
 103
N.º 7, do Conde de Palmella e D. Joaquim Lobo da Silveira
(Paris, 15 out. 1815) 
 105
N.º 4 (§ 1), vida supra.
N.º 8, do Marquez de Palmella (Londres, 15 nov. 1827) 
 108
N.º 9, do Marquez de Saldanha (Londres, 27 jun. 1810) 
 110
N.º 9 bis, de João Pedro Migneis de Carvalho (Roma, 11 mar.
1812) 
 111
N.º 10, do Conde de Lavradio (Londres, 8 ag. 1866) 
 112
N.º 11, do Duque do Saldanha (Londres, 21 nov. 1870) 
 115


Fórma deliberativa:


N.º 12, do Conde de Tarouca e D. Luiz da Cunha
(Utrecht, 2 maio 1713) 
 116
N.º 5 (§ 3 e segg.), vide supra.
N.° 4 (§ 2), vide supra.
N.º 13, do Marquez de Palmella (Londres, 24 jan.
1833); é justificativa 
 120
N.º 14, do Visconde da Carreira (Paris, 30 mar. 1810) 
 122
N.° 15, do mesmo (Roma, 28 maio 1811) 
 125
N .° 16, do Visconde do Seisal (Londres, 18 maio 1870) 
 126


Officios de ceremonia, etc.


N.º 17, do Marquez do Palmella (Brighton, 2 fev. 1827) 
 127
N.° 18, do mesmo (Londres, 28 fev. 1827) 
 128

Pag.
§ III Correspondencia com o Governo territorial


Cartas e Notas 
 131


Modelos:


N.º 19, de Antonio de Araujo de Azevedo (Paris, 11 jan. 1798); infracção de immunidades diplomaticas 
 134
N.º 20, do Conde de Palmella e D. Joaquim Lobo da Silveira (Paris, 23 set. 1815); reclamação como Potencia Alliada 
 136
N.º 21, do Marquez de Palmella (Londres, 16 abr. 1828); formalidades 
 139
N.º 22, do Visconde de Carreira (Roma, 27 jul. 1841); restabelecimento de relações diplomaticas
140
N.º 23, de Joaquim Cesar de Figaniére e Morão (Washington, 21 jan. 1843); interpretação de um Tratado de Commercio, e reclamando contra a sua violação­ 
 142
N.º 24, do Barão da Torre de Moncorvo (Londres, 29 jan. 1847); reclamação para um soccorro de tropas em virtude de Tratados existentes 
 151
N.º 25, de Joaquim Cesar de Figaniére e Morão (New York, 7 nov. 1850); reclamação contra uma Potencia Neutral em consequencia de prejuízos causados por corsarios 
 153
N.º 26, do Conde de Lavradio (Londres, 16 jun. 1863); mediação para reconciliar duas Potencias 
 162
N.º 27, do Conde Russell; resposta á antecedente 
 163
N.º 28 de José de Vasconcellos e Sousa (Rio de Janeiro, 7 out. 1863); mediação, etc, 
 164
N.º 29, (Nota Collectiva), do mesmo, juntamente com outros Representantes estrangeiros (Rio de Janeiro, t maio t8M); interpretação d,e ContJet1ções Consulares 
 166
N.º 30, do Conde de Lavradio (Londres, 16 ag. 1866); proposta para a revisão de um Tratado 
 168
N.º 31, do mesmo (Londres, 16 nov. 1868); reclamação de pagamento 
 163
N.º 32, (Nota Verbal), do Visconde de Balsemão (Belem, 16 dez. 1803); recepção de um Ultimatum 
 171

Página:Quatro regras de diplomacia.pdf/234 Página:Quatro regras de diplomacia.pdf/235 Página:Quatro regras de diplomacia.pdf/236