O Gaúcho

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Gaúcho
por José de Alencar


Que significa este nome — Sênio — no frontispício de livros que vozes benévolas da imprensa já atribuíram a outrem?

Cada um fará a suposição que entender.

Era preciso um apelido ao escritor destas páginas, que se tornou um anacronismo literário. Acudiu esse que vale o outro e tem de mais o sainete da novidade.

Porventura escolhendo aquela palavra, quis o espírito indicar que para ele já começou a velhice literária, e que estes livros não são mais as flores da primavera, nem os frutos do outono, porém sim as desfolhas do inverno?

Talvez.

Há duas velhices: a do corpo que trazem os anos, e a da alma que deixam as desilusões.

Aqui, onde a opinião é terra sáfara, e o mormaço da corrupção vai crestando todos os estímulos nobres; aqui a alma envelhece depressa. E ainda bem! A solidão moral dessa velhice precoce é um refúgio contra a idolatria de Moloch.

10 de novembro de 1870.

Existe na Wikipédia um artigo relacionado com O Gaúcho.
Versão para Impressão
Uma versão para impressão de O Gaúcho está disponível. (editá-la)

Livro Primeiro: O Peão[editar]

 

Livro Segundo: Juca[editar]

Livro Terceiro: Morena[editar]

 

Livro Quarto: Upa![editar]